O peso da carga tributária

Os jornais da semana divulgaram alguns dados interessantes relativos à tributação entre nós. Um deles disse que “nunca o País pagou tanto imposto como em 2006”, 4,48% mais do que no ano anterior. “Arrecadação de impostos bate recorde: R$ 392,5 bilhões”. Outra notícia, por sua vez, informou que a dívida dos contribuintes passou de um trilhão de reais até novembro, R$ 1,035 trilhão, e acrescentou que a dívida pública da União somara R$ 1,093 trilhão. Importava isso em dizer que se o contribuinte pagasse o que devia à União, dívidas fiscais e previdenciárias, ficava praticamente apagada a dívida mobiliária interna. Ocorre que, é sabido, a despeito dos velhos privilégios do Fisco, metade dos créditos federais, se não mais, ou seguramente mais da metade, são impagáveis, não valem dois reais de mel coado; existem no papel e nada mais.
Muitos dos “devedores” não existem mais, quebraram ou fecharam suas portas asfixiados pelos tributos. O remédio está matando os doentes. A elevação dos impostos está acabando com as empresas. Outrossim, e vale notar, a dívida do setor fiscal tem crescido e cresceu 50% nos últimos quatro anos. De um lado, a arrecadação cresce ano a ano; em compensação, a dívida dos contribuintes também cresce ano a ano.
Vale salientar que, a divulgação é de agora, no ano em curso a União deverá pagar R$ 412,8 bilhões da dívida pública mobiliária interna e R$ 23,2 bilhões da dívida externa. Isto mostra que a válvula do endividamento chegou ao seu limite. Aliás, ultimamente muito se tem falado sobre a carga tributária e sua insuportabilidade e vai-se tornando corrente a idéia de que não é possível agravá-la. Ainda bem. Já era tempo. O agravamento é contraproducente. De mais a mais, clama aos céus o contraste entre o peso da dívida e a qualidade dos serviços públicos.
Outro dado que desmascara a realidade pode ser visto no que veio a ser o escândalo dos precatórios. É uma modalidade de calote. A dívida estatal, pelo precatório, é líquida e certa, certa quanto à sua existência, líquida quanto ao seu montante. Supõe processo findo, sentença transitada em julgado. É só pagar. No entanto, vai-se tornando impagável.
Outro caso envolve os depósitos judiciais que vêm sendo julgados como se o depositário pudesse deles servir-se. Pode chegar o dia em que o erário não tenha como devolver aos depositantes o depositado. Agora se promete usar os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
O poder público que não honra os precatórios em que é devedor pode apossar-se, si et in quantum, do que pertence aos trabalhadores? Não quero emitir juízo definitivo, mas os precedentes não me parecem animadores. E assim vão se formando tumores e mais tumores, e não são pequenos.

Fonte: DCI

Data da Notícia: 22/01/2007 00:00:00

Gostou do notícia? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88