O recall do Novo CPC

Andre Vasconcelos Roque, Fernando da Fonseca Gajardoni, Luiz Dellore e Zulmar Duarte

O recall é um instituto do direito do consumidor, utilizado quando algum produto apresenta defeito e, por isso, precisa passar por alguma correção, para que não cause dano ou risco ao consumidor – seja quanto à sua saúde ou segurança. Sua base legal está no CDC, no direito à informação e segurança (arts. 6º e 10)[1].

Nesta coluna no JOTA, desde seu início, apontamos algumas situações de inovações do Novo Código de Processo Civil (CPC) que trarão problemas para a prestação jurisdicional. Ou seja, que poderiam ser corrigidas antes que causassem danos aos consumidores do Poder Judiciário, os jurisdicionados.

Em 21/10/15 a Câmara dos Deputados aprovou o PL 2384/15[2]. Esse projeto já está no Senado, renomeado como PL 168/15[3]. Trata-se, portanto, de verdadeira correção de rumos antes mesmo do término da vacatio no NCPC. Em síntese, um verdadeiro recall legislativo do Novo Código[4].

Pois bem, o projeto aprovado altera 13 artigos do NCPC: 12, 153, 521, 537, 966, 988, 1.029, 1.030, 1.035, 1.036, 1.038, 1.041 e 1.042, além de revogar outros dispositivos[5].

Neste momento, faremos uma breve análise de quatro alterações, em três itens (que envolvem, principalmente, os arts. 12, 153, 988, 1.030, 1.041 e 1.042), as quais tratam de temas que já foram objeto de discussão nesta coluna.

A par disso, facilitando a análise, doravante utilizaremos 3 siglas, da seguinte forma: CPC73, NCPC (na sua versão original, de março de 2015) e NNCPC (ou seja, o Novo NCPC, com as propostas legislativas ainda em tramitação).

1) A mudança dos arts. 12 e 153: ordem cronológica

Apontada como uma das principais inovações do NCPC, o art. 12 original prevê que os julgamentos deverão ser realizados em ordem cronológica de conclusão; o art. 153, por sua vez, estabelece que o cartório deverá publicar e cumprir os pronunciamentos judiciais também em ordem cronológica.

A medida, sem dúvidas de intenção elogiável sob a ótica da isonomia e da impessoalidade, na verdade é muito criticável sob o ponto de vista prático, pois acabará com qualquer gestão por parte do magistrado, acarretando, na verdade, muito mais morosidade que celeridade. Vale destacar que a 1ª coluna sobre o NCPC publicada no Jota tratou, exatamente, desta inovação – apontando seus efeitos nefastos[6], inclusive considerando o dispositivo inconstitucional[7].

A redação original (NCPC) dos dispositivos é a seguinte:

Art. 12. Os juízes e os tribunais deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.

Art. 153. O escrivão ou chefe de secretaria deverá obedecer à ordem cronológica de recebimento para publicação e efetivação dos pronunciamentos judiciais.

Já a redação proposta no projeto em trâmite (NNCPC):

Art. 12. Os juízes e os tribunais atenderão, preferencialmente, à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.

Art. 153. O escrivão ou chefe de secretaria deverá obedecer, preferencialmente, à ordem cronológica de recebimento para publicação e efetivação dos pronunciamentos judiciais.

Como se vê, deixa de existir uma determinação, uma norma cogente, para que haja o julgamento (pelo juiz) ou cumprimento (pelo servidor) em ordem cronológica. Há, tão somente, uma sugestão para que haja o julgamento/cumprimento em ordem cronológica. Sem qualquer sanção explícita nos dispositivos.

Contudo, não se trata de uma volta ao sistema anterior (do CPC73), pois o art. 12 segue existindo – a cronologia segue como critério preferencial de gestão, o qual poderá ser afastado – e, principalmente, não deixa de existir o comando legislativo para que a lista de processos conclusos seja elaborada e divulgada pela internet.

O importante no momento é constatar que, com a alteração do art. 12, a inconstitucionalidade antes existente é reconhecida[8] pelo próprio legislativo e o novel texto – se aprovado, por certo – não mais ostenta esse vício. Ou seja, o recall cumpriu seu papel.

2) A restrição do cabimento da reclamação (art. 988).

Uma das principais novidades do NCPC é a tentativa de que os precedentes jurisprudenciais sejam estáveis e respeitados pelo próprio Poder Judiciário[9].

Nesse sentido, há os arts. 926 e 927, sendo que este último traz um comando para que os magistrados de hierarquia inferior observem os precedentes jurisprudenciais dos tribunais[10].

Mas, e se os juízes não observarem a jurisprudência dos tribunais, o que ocorre?

O NCPC prevê, para algumas situações (não todas aquelas do art. 927) o uso da reclamação, ou seja, uma ação (não um recurso), a ser proposta diretamente no tribunal. Ou seja, há uma ampliação no cabimento da reclamação, para além das hipóteses já previstas anteriormente – de violação a decisão proferida em controle concentrado de constitucionalidade e súmula vinculante e preservação da competência da Corte Constitucional (situações já previstas na CF e que, inclusive, são repetidas no NCPC).

Comparemos os textos, para melhor compreensão da questão.

NCPC:

Art. 988. Caberá reclamação da parte interessada ou do Ministério Público para:

(…)

IV – garantir a observância de enunciado de súmula vinculante e de precedente proferido em julgamento de casos repetitivos ou em incidente de assunção de competência.

NNCPC:

Art. 988. Caberá reclamação da parte interessada ou do Ministério Público para:

(…)

III — garantir a observância de enunciado de súmula vinculante e de decisão do Supremo Tribunal Federal em controle concentrado de constitucionalidade;

IV — garantir a observância de precedente de incidente de resolução de demandas repetitivas ou de incidente de assunção de competência;

Como se percebe, na redação original do inciso IV, temos o cabimento da reclamação para qualquer hipótese de julgamento repetitivo – seja o REsp repetitivo, RE repetitivo ou incidente de resolução de demandas repetitivas (IRDR)[11]. Porém, na redação do NNCPC, há uma limitação, podendo se concluir, à primeira vista, que possível o uso da reclamação somente para a hipótese de julgamento do IRDR – mas não para o caso de REsp ou RE repetitivo.

A se interpretar dessa forma, haveria, infelizmente, claro enfraquecimento do precedente firmado no repetitivo. E, aqui, até mesmo uma incongruência. Pois o IRDR em si é julgado originalmente nos tribunais inferiores, sendo apreciado pelos tribunais superiores apenas em sede recursal (NCPC, art. 987).

Mas essa interpretação encontra óbice em outra alteração proposta, no § 5º do art 988. Comparemos as redações.

NCPC:

Art. 988. (…) § 5º É inadmissível a reclamação proposta após o trânsito em julgado da decisão.

NNCPC:

Art. 988. (…) § 5° É inadmissível a reclamação:

I — proposta após o trânsito em julgado da decisão reclamada;

II — proposta perante o Supremo Tribunal Federal ou o Superior Tribunal de Justiça para garantir a observância de precedente de repercussão geral ou de recurso especial em questão repetitiva, quando não esgotadas as instâncias ordinárias.

A partir do § 5º do NNCPC, é de se concluir que a reforma proposta também permite o uso da reclamação para as situações de REsp e RE repetitivos – ainda que isso não esteja expressamente previsto no art. 988, IV. Ou seja, o novo inciso IV deve ser lido de forma sistemática com o § 5º, de modo a ser interpretado de forma ampliativa.

Logo, é fácil concluir que não andou bem o recall, nesse ponto…

De qualquer forma, o uso da reclamação para essas hipóteses é limitado pelo legislador reformador, somente sendo admitido quando “esgotadas as instâncias ordinárias”. Ou seja, a reclamação (que é ação) passa a se aproximar de um recurso excepcional, sendo, portanto, somente cabível quando couber o próprio REsp ou RE.

Logo, pela redação proposta pelo NNCPC, se uma sentença violar uma tese firmada em repetitivo, só será cabível apelação. Somente se um acórdão violar a tese repetitiva é que será possível utilizar, ao mesmo tempo, REsp/RE e reclamação – tendo a reclamação a vantagem de ser apresentada diretamente no juízo de destino.

A proposta, claramente, busca diminuir o número de reclamações no âmbito dos tribunais superiores. Contudo, limita a força da tese fixada em sede repetitiva. Ao invés de se se atacar o problema (juízes que não observam precedentes), ataca-se a solução (uso da reclamação).

Portanto, nesse particular, não nos parece uma boa alteração – seja na forma (pela incongruência entre o inciso IV e o § 5º), seja no conteúdo (por limitar a força do precedente).

3) A volta dos que não foram: juízo de admissibilidade do REsp/RE no tribunal de origem (art. 1.030).

Esse tema foi objeto de coluna específica anterior no JOTA[12], exatamente porque, desde a aprovação do NCPC, houve grande resistência dos tribunais superiores quanto ao assunto – supressão da admissibilidade do REsp/RE na origem –, existindo diversos projetos de lei para tratar do assunto[13].

Diante desse problema, duas seriam as possíveis soluções: alteração do NCPC ou aumento da vacatio[14].

Em relação às duas possibilidades, a que está mais próxima da aprovação, como se vê, é a modificação do texto legislativo.

As justificativas para o fim da admissibilidade na origem seriam (i) a diminuição de um recurso – ao argumento de que na maior parte das vezes a parte interpõe o agravo contra a inadmissão na origem e (ii) a maior celeridade que isso traria na tramitação. Ademais, afirmou-se que a ideia teria partido de um ministro do STJ – o que, contudo, foi rechaçado pelo próprio magistrado[15].

No texto anterior no JOTA, foram apontadas razões pelas quais não se entendia a novidade conveniente[16], de modo que isso não é aqui repetido.

O fato é que o NNCPC traz a volta ao sistema do CPC73. Vejamos as redações, em que há uma brutal alteração.

NCPC:

Art. 1.030. Recebida a petição do recurso pela secretaria do tribunal, o recorrido será intimado para apresentar contrarrazões no prazo de 15 (quinze) dias, findo o qual os autos serão remetidos ao respectivo tribunal superior.

Parágrafo único. A remessa de que trata o caput dar-se-á independentemente de juízo de admissibilidade.

NNCPC:

Art. 1.030. Recebida a petição do recurso pela secretaria do tribunal, o recorrido será intimado para apresentar contrarrazões no prazo de quinze dias, findo o qual os autos serão conclusos ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, que deverá:

I — negar seguimento a recurso extraordinário que trate de controvérsia a que o Supremo Tribunal Federal tenha negado a repercussão geral;

II — negar seguimento a recurso extraordinário ou a recurso especial interposto contra acórdão em conformidade com o precedente de repercussão geral ou de recurso especial em questão repetitiva;

III — encaminhar o processo ao órgão julgador para juízo de retratação, se o acórdão recorrido divergir de precedente de repercussão geral ou de recurso especial em questão repetitiva;

IV — sobrestar o recurso que versar sobre controvérsia de caráter repetitivo ainda não decidida por tribunal superior;

V — selecionar o recurso como representativo de controvérsia constitucional ou infraconstitucional de caráter repetitivo, nos termos do § 6° do art. 1.036;

VI — realizar juízo de admissibilidade e, se positivo, remeter o feito ao tribunal superior correspondente, desde que:

a) o recurso ainda não tenha sido submetido ao regime da repercussão geral ou do recurso especial repetitivo;
b) o recurso tenha sido selecionado como representativo da controvérsia; ou
c) o tribunal recorrido tenha refutado o juízo de retratação.
Como se percebe, há profunda modificação. Não só volta para a origem a admissibilidade e a competência para atribuir efeito suspensivo aos recursos excepcionais, como o tribunal intermediário fica responsável pela aplicação do precedente fixado em sede de repetitivo, (r)estabelecendo uma espécie de parceria entre os tribunais intermediários e os tribunais superiores.

E, consequentemente, com a volta da admissibilidade na origem, retorna ao sistema o agravo contra decisão denegatória nos moldes do CPC73 (art. 1.042 do NNCPC[17]).

Nesse particular, muito bem vindo o recall.

É certo que há dificuldades como, por exemplo, o que fazer quando se está diante de um sobrestamento indevido, ou de incorreta aplicação da tese repetitiva ao caso concreto. Contudo, isso é tema para outra coluna.

Conclusão

Para concluir, é de se verificar que o próprio Legislativo percebeu que a redação original do NCPC traria uma série de problemas. Tanto que já aprovou, em uma das Casas, em típica situação de recall, diversas modificações no Código – e que ora pende de apreciação na outra Casa Legislativa.

E, das alterações aprovadas no NNCPC e aqui tratadas, em nosso entender três delas são absolutamente pertinentes (mudanças nos arts. 12, 153 e 1.030). Além disso, diversos outros projetos legislativos tramitam no Congresso para alterar o NCPC.

Portanto, até a entrada em vigor do NCPC, continuaremos na expectativa sobre a continuidade do recall. Esperando que as alterações eventualmente efetuadas não justifiquem a aquisição de um novo produto (no caso, o Código).

——————————————————————————————————————-

[1] Há, também, no âmbito do direito constitucional / eleitoral, a figura do recall, em que se busca revogar o mandato de algum político antes eleito. Mas a figura do direito do consumidor se aproxima mais do que se quer tratar nesta coluna.

[2] http://www2.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1580174

[3] http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/123769

[4] O paralelo na utilização da expressão foi realizado por Andre Roque, em grupo de debates virtual que reúne 200 processualistas de todo o Brasil que discutem o NCPC.

[5] Confira a íntegra aqui: http://www2.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1405050&filename=Tramitacao-PL+2384/2015

[6] Fernando Gajardoni assinou a primeira coluna (http://jota.info/o-novo-cpc-e-o-fim-da-gestao-na-justica).

[7] O mesmo autor, posteriormente, afirmou a inconstitucionalidade do artigo 12 do NCPC (Gajardoni, Dellore, Roque e Duarte, Comentários ao CPC de 2015 – Parte Geral. Rio de Janeiro: Forense, 2015, p. 71-78)

[8] Expressa ou implicitamente, pouco importa.

[9] A respeito do tema, nesta coluna do Jota, Luiz Dellore (http://jota.info/novo-cpc-5-anos-de-tramitacao-e-20-inovacoes, item viii) e Zulmar Duarte (http://jota.info/precedentes-no-novo-cpc-fast-food-brasileiro).

[10] Art. 927. Os juízes e os tribunais observarão:

I – as decisões do Supremo Tribunal Federal em controle concentrado de constitucionalidade;

II – os enunciados de súmula vinculante;

III – os acórdãos em incidente de assunção de competência ou de resolução de demandas repetitivas e em julgamento de recursos extraordinário e especial repetitivos;

IV – os enunciados das súmulas do Supremo Tribunal Federal em matéria constitucional e do Superior Tribunal de Justiça em matéria infraconstitucional;

V – a orientação do plenário ou do órgão especial aos quais estiverem vinculados.

[11] A respeito do tema, conferir, novamente, coluna de Zulmar Duarte (http://jota.info/precedentes-no-novo-cpc-fast-food-brasileiro) e, também, de Andre Roque (http://jota.info/abracadabra).

[12] Escrita por Luiz Dellore (http://jota.info/novo-cpc-ja-a-reforma-da-reforma).

[13] A propósito, em pesquisa realizada pelo processualista Antonio Carvalho (PR), chegou-se ao surpreendente resultado de mais de 25 projetos de leis tramitando na Câmara e 6 no Senado para alterar o NCPC (número do início de novembro/15).

[14] Já há proposta de lei nesse sentido: PL 2.913/2015 (http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1712716 ). Relembre-se que, na história do Brasil, já houve caso de adiamento de vacatio de Código, que depois nunca entrou em vigor (CP/1969)

[15] Conferir manifestação do Ministro Beneti no seguinte texto: http://www.conjur.com.br/2015-jul-14/stj-restabelecer-regras-admissibilidade-cpc

[16] Vide, novamente, http://jota.info/novo-cpc-ja-a-reforma-da-reforma.

[17] Art. 1.042. Cabe agravo contra decisão de presidente ou de vice-presidente do tribunal recorrido que inadmitir recurso extraordinário ou recurso especial, salvo quando fundada na aplicação de precedente de repercussão geral e de recurso especial repetitivo.

Fonte: Jota.Info

Andre Vasconcelos Roque, Fernando da Fonseca Gajardoni, Luiz Dellore e Zulmar Duarte

Andre Vasconcelos Roque
Doutor e mestre em Direito Processual pela UERJ. Professor Adjunto em Direito Processual Civil da FND-UFRJ. Membro do IIDP, IBDP, CBAr, IAB e CEAPRO. Advogado.

Fernando da Fonseca Gajardoni
Professor Doutor de Direito Processual Civil da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da USP (FDRP-USP). Doutor e Mestre em Direito Processual pela USP (FD-USP). Juiz de Direito no Estado de São Paulo.

Luiz Dellore
Mestre e Doutor em Direito Processual pela USP. Mestre em Direito Constitucional pela PUC/SP. Professor de Direito Processual do Mackenzie, EPD, IEDI e IOB/Marcato e professor convidado de outros cursos em todo o Brasil. Advogado concursado da Caixa Econômica Federal. Ex-assessor de Ministro do STJ. Membro da Comissão de Direito Processual Civil da OAB/SP, do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Processual) e diretor do CEAPRO (Centro de Estudos Avançados de Processo).

Zulmar Duarte
Advogado. Professor. Pós-Graduado em Direito Civil e Processual Civil. Membro do IAB (Instituto dos Advogados Brasileiros) e do CEAPRO (Centro de Estudos Avançados de Processo).

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88