A sucessão do companheiro no novo Código Civil

Vitor Pereira Paschoalick

O artigo aborda as distinções entre o tratamento dado pelo novo Código Civil à sucessão do companheiro e à sucessão do cônjuge e as distorções daí decorrentes.

 

Dentre as inovações trazidas pelo Código Civil de 2002 no tocante ao Direito Sucessório, destacam-se as disposições acerca da sucessão da companheira, o que não era previsto na legislação anteriormente vigente.

É de dizer que o legislador tratou a sucessão do cônjuge e dos companheiros de forma distinta.

Nos dizeres de Sílvio Salvo Venosa:

“…Poderia o legislador ter optado em fazer a união estável equivalente ao casamento, mas não o fez. Preferiu estabelecer um sistema sucessório isolado, no qual o companheiro nem é equiparado ao cônjuge nem se estabelecem regras claras para sua sucessão (…) Como examinamos, embora haja o reconhecimento constitucional, as semelhanças entre o casamento e a união estável restringem-se apenas aos elementos essenciais…”i.

Frise-se, de início, que, no âmbito do Direito de Família, o art. 1.725 do novo Código Civil determina expressamente que o regime legal da união estável é o da comunhão parcial de bens. Ou seja, na falta de disposição em contrário pelos companheiros, exteriorizada através de contrato escrito, regulará as relações patrimoniais entre eles o regime da comunhão parcial de bens. Nesse ponto, o legislador igualou a condição do companheiro à do cônjuge, cujo regime legal é o mesmo, conforme acordo com o art. 1.640 do mesmo diploma.

No regime de comunhão parcial os bens comunicáveis são aqueles adquiridos depois do casamento ou após a constituição da união estável, excetuando-se, em qualquer dos casos, os bens apontados no art. 1.659 do Código Civil.

Tratando-se do companheiro, com a morte do convivente, terá direito à meação em relação aos mencionados bens comunicáveis, já que houve a dissolução da sociedade afetiva. Isso porque essa parte do patrimônio já lhe pertencia desde a constituição da união estável, em decorrência das regras do Direito de Família, de modo que não sequer transferência de bens.

Relativamente à metade restante do patrimônio, ocorrerá a sucessão conforme estabelece o inovador art. 1.790. Relativamente a esta metade, dispôs o legislador que o companheiro “participará” da sucessão do outro, evitando classifica-lo como herdeiro.

Venosa não poupa críticas à referida diferenciação:

“…A impressão que o dispositivo transmite é de que o legislador teve rebuços em classificar a companheira ou companheiro como herdeiros, procurando evitar percalços e críticas sociais, não os colocando definitivamente na disciplina da ordem de vocação hereditária. Desse modo, afirma eufemisticamente que o consorte da união estável “participará” da sucessão, como se pudesse haver um meio-termo entre herdeiro e mero “participante” da herança…”.ii

Da forma como dispõe o art. 1.790 do Código Civil, o companheiro concorre com os filhos comuns e, nesse caso, receberá cota correspondente à dos filhos. Concorrerá também com os descendentes só do falecido, recebendo, aqui, metade do que couber a cada um destes. Se concorrer com outros parentes terá direito a um terço da herança e, se não houver parentes sucessíveis, tocar-lhe-á a totalidade da herança.

Quando o dispositivo trata da concorrência do companheiro com descendentes comuns, ou só do falecido, esta ocorre apenas quanto aos bens adquiridos onerosamente durante a constância da união estável e após a retirada da meação do companheiro.

Por outro lado, a concorrência do companheiro sobrevivente com outros parentes do de cujus estende-se a toda a herança. Tal conclusão decorre da exegese do art. 1.790 da Lei Civil. Os incisos I e II desse artigo, que tratam da concorrência entre o companheiro e os filhos, referem-se ao caput que fala que o companheiro sobrevivente participará na sucessão do outro quanto aos bens adquiridos onerosamente na constância da união estável. Já os incisos III e IV, que tratam da concorrência com os demais parentes, se referem à herança como um todo.

Ocorre que, como já dito, o novo Código Civil estabeleceu distinções quanto à sucessão dos cônjuges e dos companheiros. Assim, no que tange à sucessão do cônjuge, casado pelo regime da comunhão parcial de bens, este poderá levar desvantagem com relação ao companheiro na mesma situação.

As normas aplicáveis à sucessão entre cônjuges são estabelecidas nos artigos 1.829 e seguintes do Código Civil. Observe-se que a concorrência entre cônjuge e descendentes somente ocorre quanto ao acervo de bens em que não há direito de meação, conforme o art. 1.829 da Lei Civil.

A meação do cônjuge se dá com relação aos bens adquiridos durante a vida conjugal, e a herança recai sobre os bens particulares do falecido. Só quanto a estes é que acontece a concorrência estabelecida no art. 1.829, I, do Código Civil. Não há sucessão do cônjuge e muito menos concorrência com relação aos bens comuns. E a meação, como na união estável, já pertence ao cônjuge desde a realização do casamento.

As distorções ocorrem em razão de que, no caso do cônjuge, a meação e a herança recaem sobre patrimônios diversos.

Quando não existirem bens particulares do morto, isto é, se todo o patrimônio for formado na vigência da união estável ou do casamento, tendo o casal um filho, a companheira sobrevivente terá direito a 75% do patrimônio, conforme já visto, e o filho comum ficará com os 25% restantes. Já o cônjuge vivo, na mesma situação, receberá apenas 50% dos bens, a título de meação. Nesse caso, como não existiam bens particulares, também não haverá concorrência da mãe com o filho. Este herdará os 50% do patrimônio que restaram depois de retirada a meação da viúva.

É nítido que o legislador, ao recear dar tratamento igual ao cônjuge e ao companheiro, colocando ambos na ordem de vocação hereditária, acabou por criar distorções que prejudicam não só o companheiro, mas também o próprio cônjuge.

É espantoso notar que em pleno século XXI o moralismo ainda influa onde não deveria, acabando por prejudicar a boa técnica jurídica e criando, assim, distorções socialmente indesejáveis, o que se verifica não só com relação ao tema ora tratado, mas em relação a diversos institutos do Direito, mormente aqueles que tem impacto mais direto na vida das pessoas e, por conseguinte, maior repercussão social.

Notas:

1 VENOSA, Silvio de Salvo. Direito civil: direito das sucessões. 7ª ed. São Paulo : Atlas, 2007. p. 113.

2 VENOSA, Silvio de Salvo. op. cit. p. 119.

Bibliografia:

VENOSA, Silvio de Salvo. Direito civil: direito das sucessões. 7ª ed. São Paulo : Atlas, 2007.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro. São Paulo : Saraiva, 2007.

Vitor Pereira Paschoalick

Estudante de Direito da Universidade de Ribeirão Preto. Estagiário da Procuradoria da República no município de Ribeirão Preto.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp