Usufruto de Participações Societárias. Distribuição Disfarçada de Lucros na Instituição de Usufruto de Juros Sobre o Capital

Edmar Oliveira Andrade Filho

INTRODUÇÃO

Em 4 de janeiro de 2021, o Diário Oficial da União divulgou o texto da Solução de Consulta COSIT nº 137/2020, na qual trata da dedução de despesas de juros sobre o capital que forem pagos aos usufrutuários de cotas ou ações do capital de sociedade. A meu juízo, o documento normativo aborda de modo escorreito o tema para firmar a interpretação no sentido de que, para efeitos de apuração do lucro real e do resultado ajustado, a pessoa jurídica poderá deduzir os juros sobre o capital próprio pagos ou creditados aos usufrutuários de ações ou cotas de capital gravadas com usufruto. De acordo com o item 13 do texto, o órgão da Receita Federal do Brasil afirma que o usufrutuário faz as vezes do titular do rendimento a ele cedido sem que haja desnaturação da natureza primária desse rendimento, quer sejam pagos ou creditados ao usufrutuário titular do rendimento, ao sócio ou ao acionista.

A Solução de Consulta nº 137 não examina a eventual caracterização de distribuição disfarçada de lucros (DDL) quando uma sociedade investidora institui usufruto em favor de uma pessoa natural a ela vinculada. O usufruto, nessas hipóteses, é altamente vantajoso do ponto de vista tributário tendo em vista que a investidora, após a instituição do usufruto, não mais receberá juros sobre o capital e deixa de contabilizar a receita que, como sócia obteria: por conseguinte, ela fica livre da obrigação de pagar IRPJ, CSLL e contribuições devida ao PIS e COFINS sobre essa receita. O usufruto, portanto, pode eliminar um inconveniente tributário das sociedades holdings ao menos em relação às referidas contribuições dado que o imposto de renda pode ser “compensado” com a distribuição, pela sociedade investidora, de juros aos seus próprios acionistas. Para se determinar se há ou não DDL é imprescindível ter em conta os efeitos patrimoniais do usufruto que pode ser instituído a título oneroso ou gratuito. A instituição de usufruto sobre participações societária é um negócio jurídico lícito e os problemas societários decorrentes foram enfrentados no julgamento, pelo STJ, do Recurso Especial nº 1.169.202, em 20 de setembro de 2011. O perfil jurídico do usufruto é estabelecido pelas normas do art. 1.390 e seguintes do Código Civil; assim, o usufruto pode recair em um ou mais bens, móveis ou imóveis, em um patrimônio inteiro, ou parte deste, abrangendo-lhe, no todo ou em parte, os frutos e utilidades.
CONCESSÃO DE USUFRUTO E ALIENAÇÃO BENS OU DIREITOS

A instituição do usufruto atribui ao usufrutuário o domínio útil da coisa, ou seja, o direito de usar, gozar e usufruir. Não é transmitido ao usufrutuário, todavia, um dos atributos do domínio, que é o de dispor da coisa, cujo direito é reservado ao nu-proprietário; como consequência o usufrutuário tem a posse direta do bem e o nu-proprietário a posse indireta. Com a instituição do usufruto há cessão dos atributos de usar, gozar e usufruir, de modo que há desmembramento dos atributos do domínio, que passa ser exercido simultaneamente por pessoas distintas. A cessão recai sobre parte do direito do titular da participação societária de modo que, ao instituir o usufruto, há alienação de parcela do seu direito e a reserva de outra parcela para si. A alienação de direitos inerentes à coisa é da essência do usufruto pelo o qual o proprietário mantém para si a nua-propriedade como decidiu o STJ no julgamento do Recurso Especial 1.613.657, em 21 de agosto de 2018: na ementa do acórdão está dito, de modo didático: “3. No caso de usufruto convencional ou voluntário, o proprietário (que detém todos os atributos do domínio), por ato gratuito ou oneroso, reserva para si a nua-propriedade e transfere para terceiro o usufruto (usufruto por alienação); ou reserva para si o usufruto do bem e transmite para terceiro a nua-propriedade (usufruto por retenção)”. A ocorrência da alienação nos casos em que o cedente mantém a condição de nu-proprietário é patente e acima de dúvida razoável tendo em vista que a parcela do direito cedido passa a integrar o patrimônio do usufrutuário que adquire o direito líquido e certo de receber os juros sobre o capital quando forem declarados, e, tem o direito de ação que o habilita a, eventualmente, reclamar judicialmente em caso de falta de pagamento.

DISTRIBUIÇÃO DISFARÇADA DE LUCROS

A alienação de bens (o que inclui os direitos) a pessoa ligada sem contraprestação ou com contraprestação inferior ao valor de mercado dos bens transferidos atrai a norma do item I do art. 528 do RIR/18 sobre DDL; portanto, mesmo que a alienação seja contratada a título oneroso é possível – em tese – a ocorrência de DDL. Todavia, é necessário ter em conta que, mesmo havendo favorecimento, a incidência da norma não é automática tendo e vista a possibilidade de que a aplicação seja elidida na forma do § 3º do art. 528 do RIR/18. De acordo com esse preceito “a prova de que o negócio foi realizado no interesse da pessoa jurídica e em condições estritamente comutativas ou em que a pessoa jurídica contrataria com terceiros exclui a presunção de distribuição disfarçada de lucros”.

Para descobrir o significado de “interesse da pessoa jurídica” será necessário fazer uma experiência colateral no direito societário. A constituição de uma sociedade personalizada (a pessoa jurídica da lei tributária) de acordo com os tipos previstos no ordenamento jurídico implica na automática adesão a um modelo normativo formado por princípios e regras pertinentes ao tipo de sociedade escolhido; para sociedades empresárias o referido modelo se estriba em pelo menos dois postulados: em primeiro lugar, os criadores da sociedade personalizada (a pessoa jurídica) devem ter presente que a sociedade é autônoma em relação aos sócios e, por essa razão, eles autolimitam a sua própria capacidade jurídica que deverá ser exercida de acordo com as normas sobre o funcionamento da sociedade que deve ser tratada como ser autônomo que é. Em segundo lugar, eles se obrigam a respeitar e defender os interesses da própria sociedade que, como visto, é um ente autônomo. O dever de considerar e defender o interesse da sociedade é extraído do texto do caput do art. 115 da Lei nº 6.404/76, assim, o acionista – controlador ou minoritário – deve exercer o direito a voto no interesse da companhia.

Também os administradores devem respeitar e defender o interesse da sociedade: de acordo com o caput do art. 154 da Lei nº 6.404/76, “o administrador deve exercer as atribuições que a lei e o estatuto lhe conferem para lograr os fins e no interesse da companhia, satisfeitas as exigências do bem público e da função social da empresa”. Além disso, o § 2º do referido preceito legal estabelece que é vedado ao administrador praticar ato de liberalidade à custa da companhia. De acordo com o § 4º do art. 154 da Lei nº 6.404/76, o conselho de administração ou a diretoria podem autorizar a prática de atos gratuitos razoáveis em benefício dos empregados ou da comunidade de que participe a empresa, tendo em vista suas responsabilidades sociais. Em resumo, a concessão de benefícios sem contrapartida (ou sem justa retribuição) ofende o interesse da sociedade de modo que constitui ato ultra vires (sem poderes ou com desvio de poderes).

A renúncia de receita, assim como toda e qualquer prática liberalidade ou benesses que não sejam justificadas por razões econômicas ou jurídicas, são proibidas em decorrência do princípio da lucratividade. Esse princípio visa a concretizar o interesse da sociedade: alhures escrevi que: “é contrário ao interesse da sociedade todo e qualquer ato que seja contrário ao princípio da lucratividade ou que entrave, de modo direto ou indireto, a prosperidade da empresa. Enfim, não se amolda ao interesse da companhia nenhum ato ou negócio que diminua o seu patrimônio sem justa contrapartida ou que vise a subtrair da sociedade qualquer espécie de rendimento que lhe pertence”. Em razão do referido princípio parece claro que a sociedade não pode “abrir mão” de receitas ou despender dinheiro ou outros bens para concessão de benesses sem ofender ao princípio da lucratividade. Em resumo, o princípio da lucratividade repudia a prática de negócios em condições de favorecimento e afeta pelo menos quatro esferas jurídicas: (a) da sociedade personalizada, que não pode ter o seu patrimônio desfalcado pela renúncia de receitas ou pela distribuição de benefícios econômicos sem contrapartida ou com contrapartida que não seja equitativa ou justa; (b) dos administradores (diretores e conselheiros) que não têm poderes para a prática de tais atos; (c) dos membros do conselho fiscal, que não podem aprovar atos ofensivos ao interesse da sociedade na forma do disposto no § 1º do art. 165 da Lei nº 6.404/76; e (d) dos sócios ou acionistas, que, em razão do disposto no art. 115 da Lei nº 6.404/76, estão impedidos de exercer o direito de voto contra os interesses da sociedade.

CONCLUSÕES

Retomando a análise das questões tributárias no caso de concessão de usufruto de participação societária, é necessário considerar que a outorga do usufruto – oneroso ou gratuito – implica na alienação dos bens (isto é, de alguns dos direitos inerentes às participações societárias) e isso impõe o registro dos fatos contábeis. Portanto, por ocasião da instituição do usufruto a investidora deve reconhecer um eventual ganho ou perda de capital se a concessão tiver sido contratada a título oneroso. O eventual ganho, de acordo com o que foi decidido pela CSRF no acórdão no 9101¬004.210, de 4 de junho de 2019, será reconhecido e tributado com base no regime de competência. Por outro lado, se o usufruto for concedido a título gratuito a baixa parcial do valor do investimento é requerida e a perda de capital não pode ser deduzida. Em qualquer caso, na falta de elementos para determinar o valor a ser baixado, o contribuinte deve adotar por analogia as regras do art. 140 do RIR/18, na forma do acórdão no 2402-005.365, emitido pelo CARF.

Além da apuração do eventual ganho ou perda de capital o contribuinte deve cumprir, se for o caso, as regras sobre DDL: assim, se houver caracterização da DDL a sociedade instituidora do usufruto deve submeter à tributação a receita que vier a renunciar caso: (a) o usufruto foi concedido a título gratuito; ou, (b) o usufruto tenha sido contratado por valor inferior ao de mercado. O cálculo pode ser feito por pelo menos duas perspectivas: em primeiro lugar, é possível cogitar que o valor a ser tributado deve ser apurado de uma só vez no período da instituição do usufruto e corresponderá ao valor presente estimado dos benefícios renunciados diminuído do valor recebido, se for o caso. Esse valor presente corresponde ao valor de mercado e deve ser apurado de acordo com os parâmetros e métricas que sejam reconhecidos e aceitos pela comunidade profissional. Por outro lado, por questão de razoabilidade e tendo em conta as características do negócio jurídico de usufruto, parece ser razoável considerar que o cômputo dos valores para fins de cálculo do IRPJ e CSLL deve ocorrer ao longo do tempo enquanto permanecer eficaz o negócio jurídico em que houve a concessão de usufruto. Nesse último caso, o valor tributável em cada período deveria ser equivalente ao valor obtido pelos beneficiários e que pode ser objetivamente determinado. Em qualquer dos dois métodos de cálculo, o valor tributável deveria tomar como parâmetro o montante dos juros líquido de imposto de renda retido na fonte e o fato gerador ocorrerá quando os juros forem percebidos pelo usufrutuário. O valor líquido de imposto é o montante do benefício econômico obtido pelo usufrutuário.

Edmar Oliveira Andrade Filho

Mestre e doutor em Direito Tributário
Membro Benemérito da APET

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp