Infrações aduaneiras continuadas: uma análise crítica

Diego Diniz Ribeiro

Na coluna de hoje abordaremos um tema riquíssimo no âmbito doutrinário e que, ao nosso ver, não tem encontrado a mesma profundidade de discussão na jurisprudência do Carf: a continuidade infracional no caso de ilícitos aduaneiros.

O artigo 107 do Decreto-Lei nº 37/66 traz um vasto rol de tipos infracionais aduaneiros e, dentre eles, destacam-se as infrações capituladas no seu inciso IV, alíneas “e” e “f” [1], as quais visam sancionar a não prestação de certas informações atinentes ao Comex e, portanto, prejudiciais ao controle aduaneiro.

É comum nesse tipo de ocorrência que haja uma repetição da infração (não prestação de informações), em diferentes átimos temporais, ou seja, que haja uma continuidade da conduta ilícita praticada. É o chamado “crime continuado”, tão bem desenvolvido no âmbito da legislação e doutrina penal.

Trazendo algumas lições do Direito Penal para o tema aqui abordado, é possível encontrar três diferentes correntes para a atribuição da natureza jurídica do chamado crime continuado [2]. Para a teoria da unidade real, os vários delitos formam um único crime. Já para a teoria da ficção jurídica, o legislador, de forma ficcional [3], trata os diferentes ilícitos como um só. Por fim, para a teoria mista, o crime continuado seria um terceiro delito, apenado de forma própria em razão dessa sua natureza. Dentre os penalistas, prevalece a teoria da ficção, ou seja, o legislador, dentre do seu feixe de competência, criou uma realidade própria que destoa da realidade das coisas, atribuindo-lhe uma consequência jurídica particular. É assim que vem sendo interpretado o artigo 71 do Código Penal [4].

Ainda bebericando da doutrina penal [5], são requisitos do crime continuado a (1) pluralidade de condutas, a (2) a pluralidade de crimes da mesma espécie e, ainda, a (3) a continuação da conduta, no tempo, a partir de circunstâncias objetivas[6].

Partindo de tais ideias, é possível agora analisar o específico tratamento dado pelo legislador aduaneiro em relação as infrações continuadas nesse nicho do Direito, o qual está prescrito no artigo 99 do Decreto-Lei nº 37/66, verbis:

Apurando-se, no mesmo processo, a prática de duas ou mais infrações pela mesma pessoa natural ou jurídica, aplicam-se cumulativamente, no grau correspondente, quando for o caso, as penas a elas cominadas, se as infrações não forem idênticas.

A partir do referido dispositivo, o primeiro ponto a se fixar aqui é que, no âmbito aduaneiro, é absolutamente desnecessário convocar a aplicação analógica do artigo 71 do CP, uma vez que a própria legislação aduaneira já deu tratamento para o referido instituto.

Pois bem. Ao se analisar referido dispositivo percebe-se que o legislador aduaneiro criou a sua particular ficção em relação ao ilícito aduaneiro continuado, oportunidade em que elencou os seguintes requisitos para sua configuração: (1) pluralidade de condutas, (2) pluralidade de infrações (3) continuidade das condutas, no tempo, a partir de circunstâncias objetivas e, ainda, (4) identidade de infrações.

Esse quarto requisito, por sua vez, tem sido objeto de alguns equívocos hermenêuticos, o que se observa em alguns precedentes do Carf.

O primeiro equívoco diz respeito ao conteúdo semântico da expressão “identidade de infrações”. Aqui, no ambiente aduaneiro, o legislador entendeu que há ilícito continuado quando houver o mesmo tipo infracional, exatamente como também prevê o legislador no Direito Penal [7]. E é óbvio que essa identidade se dá no plano normativo e não no ambiente da realização prática do Direito, haja vista que, se assim fosse, o instituto do ilícito continuado jamais teria efetividade, já que pressupõe pluralidade de condutas, além do que a discussão migraria de continuidade delitiva para bis in idem infracional [8].

Outro ponto que merece destaque e que também tem gerado equívocos é a consequência atribuída pelo legislador na hipótese de identificação de ilícitos aduaneiros continuados. Diferentemente do que ocorre no âmbito penal, no qual o legislador prevê a fixação de uma única pena [9], devidamente acrescida de um sexto a dois terços, no âmbito aduaneiro o legislador previu duas consequências: uma de índole formal e outra de natureza material.

A consequência de índole formal está prescrita no § 1º do art. 99 do Decreto-Lei nº 37/66 [10], o qual prevê que, na hipótese da lavratura de diversos autos de infrações para as diferentes condutas infracionais, tais autos deverão ser reunidos em um único processo administrativo. O objetivo do legislador com essa previsão é muito claro: o de evitar que o instituto do ilícito continuado (e sua consequência material) não seja aplicado na prática em razão de um subterfúgio formal, decorrente da cisão quanto à apuração de diversas condutas em diferentes autos de infração.

A outra consequência no âmbito aduaneiro, agora de índole material, é a pena a ser aplicada no caso de apuração de ilícitos continuados. Diferentemente do que ocorre no Direito Penal, em que o legislador fixou um acréscimo de pena, no ambiente aduaneiro o legislador escolheu pela aplicação de uma única pena para as múltiplas ações, sem qualquer acréscimo sancionatório. É o que estabelece a parte final do art. 99 do Decreto-Lei nº 37/66, ao prever que haverá cumulação de infração apenas na hipótese de se tratar de infrações/tipos infracionais distintos. Em contrário sensu, na hipótese de identidade de tipos, ou seja, de tipos da mesma espécie, aplica-se uma única pena [11].

Importante frisar que esse entendimento foi vaticinado pela própria Receita Federal, na Solução de Consulta Interna nº 8 — Cosit, de 14.02.2008, a qual se debruçou sobre infração do artigo 107, IV, “e” do Decreto-Lei nº 37/66 e a sua eventual graduação, à luz do que dispõe o já referido artigo 99 do Decreto-Lei nº 37/66. A resposta dada pela RFB foi no sentido de que seria aplicável uma única multa de R$ 5.000, justamente sob o fundamento de que se trata de uma infração, de natureza continuada [12].

É assim que também vem se consolidando a jurisprudência judicial, mais precisamente aquela do Superior Tribunal de Justiça [13], conforme se observa dos seguintes precedentes:

“PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA CONTINUADA. APLICAÇÃO DE MULTA SINGULAR. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. REEXAME DO CONTEXTO FÁTICO-PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. SÚMULA 7/STJ. FUNDAMENTO AUTÔNOMO NÃO IMPUGNADO. SÚMULA 283/STF.

(…)

2. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça define que ‘há continuidade infracional quando diversos ilícitos de idêntica natureza são apurados durante mesma ação fiscal, devendo tal medida ensejar a aplicação de multa singular’ (AgInt no AREsp n. 1.129.674/RJ, relator Ministro Sérgio Kukina, 1ª Turma, julgado em 8/3/2021, Dje de 11/3/2021). (…)

5. Agravo interno não provido.

(AgInt no Resp nº 1.783.746/RJ, relator ministro Benedito Gonçalves, 1ª Turma, julgado em 13/2/2023, Dje de 16/2/2023)

PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. OFENSA AO ART. 535 DO CPC. PODER DE POLÍCIA. SUNAB. OFERECIMENTO DE SERVIÇOS POR PREÇOS SUPERIORES AO TABELADO. INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA CONTINUADA. APLICAÇÃO DE MULTA SINGULAR.

(…)

2. No mais, é pacífica a orientação do Superior Tribunal de Justiça no sentido de que há continuidade infracional quando diversos ilícitos de mesma natureza são apurados durante mesma ação fiscal, devendo tal medida ensejar a aplicação de multa singular. Precedentes. (…)

4. Agravo regimental não provido.

(AgRg nos Edcl no Resp nº 868.479/PE, relator ministro Mauro Campbell Marques, 2ª Turma, julgado em 2/3/2010, Dje de 27/4/2011.)

Por fim, uma última posição encontrada no Carf a respeito do tema é no sentido de afastar a aplicação por analogia do artigo 71 do Código Penal, em razão da previsão estabelecida no artigo 136 do CTN [14]. Tal entendimento não merece maiores digressões, restando claro o seu equívoco por dois motivos: (1) pela desnecessidade de aplicação analógica do CP, haja vista a expressa previsão do artigo 99 do Decreto-Lei nº 37/66 que trata dos ilícitos aduaneiros continuados; e, (2) por convocar dispositivo do Direito Tributário para resolver uma questão aduaneira, ou seja, por confundir alhos com bugalhos [15].

Em suma, o que se espera aqui é que a jurisprudência do Carf se debruce sobre a continuidade delitiva no âmbito aduaneiro considerando os marcos doutrinários advindo do Direito Penal e que são frutos de séculos de estudos, porém sem se esquecer do particular tratamento legislativo dado pelo Direito Aduaneiro para o tema, nos exatos termos do repisado artigo 99 do Decreto-Lei n. 37/66.

[1] Art. 107. Aplicam-se ainda as seguintes multas:

(…).

IV – de R$ 5.000,00 (cinco mil reais):

(…).

e) por deixar de prestar informação sobre veículo ou carga nele transportada, ou sobre as operações que execute, na forma e no prazo estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal, aplicada à empresa de transporte internacional, inclusive a prestadora de serviços de transporte internacional expresso porta-a-porta, ou ao agente de carga; e

f) por deixar de prestar informação sobre carga armazenada, ou sob sua responsabilidade, ou sobre as operações que execute, na forma e no prazo estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal, aplicada ao depositário ou ao operador portuário;

(…).

[2] Nesse sentido: JESUS, Damásio E. Direito penal. 22ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999. V. I. p. 608.

[3] “A diferença da presunção para a ficção seria de técnica legislativa. Na presunção, o legislador toma a realidade da vida e dá um tratamento jurídico de acordo com o que normalmente acontece (quod plerumque accidit); na ficção, o legislador sabe que, na realidade, ocorre algo que não corresponde à figura jurídica escolhida, mas opta por dar-lhe um tratamento conscientemente contrário à natureza das coisas.” (CABRAL, Antonio do Passo. Coisa julgada e preclusões dinâmicas: entre continuidade, mudança e transição de posições processuais estáveis. 2. ed. Salvador: Juspodivum, 2014. p. 76. Grifo do autor).

[4] Art. 71 – Quando o agente, mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes da mesma espécie e, pelas condições de tempo, lugar, maneira de execução e outras semelhantes, devem os subseqüentes ser havidos como continuação do primeiro, aplica-se-lhe a pena de um só dos crimes, se idênticas, ou a mais grave, se diversas, aumentada, em qualquer caso, de um sexto a dois terços.

[5] JESUS, Damásio E. Direito penal. Vol. I. p. 605.

[6] Para os adeptos da teoria objetivo-subjetiva, haveria um quarto requisito, o qual seria a unidade de desígnio.

[7] Crimes da mesma espécie são os previstos no mesmo tipo penal, i.e., aqueles que possuem os mesmos elementos descritivos, abrangendo as formas simples, privilegiadas e qualificadas, tentadas ou consumadas. (…). Nota-se que o legislador usa a expressão “crimes da mesma espécie” e não “crimes do mesmo gênero”. Assim, furto e apropriação indébita, embora delitos do “mesmo gênero” (contra o patrimônio), não são da “mesma espécie”. Entre eles, por isso, não pode haver continuação. (JESUS, Damásio E. Direito penal. Vol. I. pp. 605-606. Grifos do autor),

[8] Fazendo essa indevida interpretação do dispositivo, no sentido de que a identidade das condutas perpetradas para fins de aplicação do art. 99 do Decreto-Lei nº 37/66 se daria no âmbito prático, observa-se o Acórdão CARF n. 3401-08.138, de relatoria do Conselheiro Oswaldo Gonçalves de Castro Neto, in verbis:

2.5.2. No caso em liça as sanções são idênticas, não as infrações. O antecedente do fatos geradores são distintos, idênticas são apenas as consequências. As infrações apuradas são: 1) a Recorrente deixou de informar até o dia 29 de abril de 2004 o embarque das mercadorias no navio Cabo Creus e por isto recebeu multa de R$ 5.000,00, 2) a Recorrente deixou de informar até o dia 23 de abril de 2004 o embarque das mercadorias no navio CMA CGM Rodin e por isto recebeu outra multa de R$ 5.000,00 e assim sucessivamente… (grifos constantes no original).

No mesmo sentido: Acórdão CARF n. 3201-008.297, relatoria do Conselheiro Hélcio Lafetá Reis; Acórdão Carf n. 3301-011.732, relatoria do Conselheiro Ari Vendramini.

[9] No caso, a pena de um só dos crimes, se idênticas, ou a mais grave, se diversas.

[10] Art. 99 (…).

§ 1º – Quando se tratar de infração continuada em relação à qual tenham sido lavrados diversos autos ou representações, serão eles reunidos em um só processo, para imposição da pena.

[11] Diferentemente do que é aqui defendido, encontra-se Acórdão CARF nº 3403-001.773, de relatoria do conselheiro Rosaldo Trevisan, para quem o legislador não teria supostamente previsto a consequência material da continuidade delitiva no âmbito aduaneiro, se limitando a tratar da consequência de natureza formal. Nesse sentido:

A preocupação do legislador aponta para o aspecto formal (reunião ou não de processos para aplicação unificada da penalidade). Entretanto, não afirma objetivamente a providência sancionatória a ser adotada após a junção dos diversos processos em um, o que levou o Poder Executivo a interpretar o dispositivo (art. 679 do Regulamento Aduaneiro ­ Decreto no 6.759/2009) no sentido de que também aí cumular­se­iam as penalidades.

Assim, em que pesem alguns posicionamentos jurisprudenciais aplicando à seara administrativa os atributos do crime continuado (ora estabelecendo a multa correspondente à infração acrescida de um sexto a dois terços, ora aplicando­a simplesmente uma vez), entendemos carente de disciplinamento legal a matéria.

[12] Nesse sentido:

16. Restaria assim, a dúvida se a cada informação não prestada, sobre cada uma das declarações de exportação, geraria uma multa de R$ 5.000,00 ou se a multa seria pelo descumprimento de obrigação acessória de deixar o transportador de informar os dados sobre a carga, como um todo, transportada. Ora, o transportador que deixou de informar os dados de embarque em uma declaração de exportação e o que deixou de informar os dados de embarque sobre todas as declarações de exportação cometeram a mesma infração, ou seja, deixaram de cumprir a obrigação acessória de informar os dados de embarque. Nestes termos, a multa deve ser aplicada uma única vez por veículo transportador, pela omissão de não prestar as informações exigidas na forma e no prazo estipulados.

(…)

17. Em face de todo exposto, conclui-se que:

(…).

c) deve ser aplicada ao transportador uma única multa de R$ 5.000,00, uma vez que o descumprimento de obrigação acessória de informar os dados de embarque, no Siscomex, não sendo determinante a quantidade de dados não informados.

[13] Destaca-se que os casos julgados pelo STJ não tratam de sanções aduaneiras e sim sanções administrativas, para os quais o Tribunal tem aplicado o art. 71 do CP, por analogia, o que só robustece a posição aqui defendida, já que ampara na expressa previsão do art. 99 do Decreto-Lei n. 37/66.

[14] Nesse diapasão: Acórdão Carf nº 3001-000.417, relatoria do Conselheiro Orlando Rutigliani Berri.

[15] O que já foi objeto de crítica nessa coluna: https://www.conjur.com.br/2021-fev-10/direto-carf-morte-vida-autonomia-regime-juridico-aduaneiro

Diego Diniz Ribeiro

Advogado tributarista e aduanerista, sócio do Daniel & Diniz Advocacia, ex-conselheiro titular do Carf na 3ª Seção de Julgamento, professor de Direito Tributário, Direito Aduaneiro, Processo Tributário e Processo Civil, doutorando em Processo Civil pela USP, mestre em Direito Tributário pela PUC-SP, pós-graduado em Direito Tributário pelo Ibet e pesquisador do NEF da FGV-SP e do grupo de estudos de Processo Tributário Analítico do Ibet.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88