AGU pretende majorar taxa de fiscalização do Ibama sem mudança na lei

Igor Mauler Santiago

No ano 2000 tivemos uma experiência profissional singular: após a invalidação pelo STF da Taxa de Fiscalização Ambiental (TFA), criada pela Lei 9.960/2000, que alterou a redação da Lei 6.938/81 (Pleno, ADI 2.178/MC-DF, relator ministro Ilmar Galvão, DJ 12/5/2000), fomos – juntamente com nossos então sócios – demandados pelo ministro do Meio Ambiente Zequinha Sarney e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) a conceber um tributo que garantisse o financiamento do Ibama sem incorrer nos graves vícios apontados pelo Supremo.

O projeto e a justificativa que elaboramos redundaram no texto e na exposição de motivos da Lei 10.165/2000, que também alterou a Lei 6.938/81, e em parecer subscrito por nós e por Eduardo Maneira e Sacha Calmon e juntado às ADI 2.422 e 2.423, ambas extintas por razões processuais, e ao RE 416.601/DF (Pleno, relator ministro Carlos Velloso, DJ 30/9/2005), no qual a nossa Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (TCFA) teve a sua constitucionalidade reconhecida.

Defeitos na TFA e correções
Em resumo, o STF opôs três reparos à TFA: eleição das atividades do particular, e não do exercício do poder de polícia estatal, como fato gerador; indeterminação do universo de contribuintes, pois a enumeração das atividades tributadas era delegada pela lei a meros atos administrativos; e indiferenciação do valor da taxa segundo o porte econômico e o potencial poluidor dos contribuintes (a crítica quanto ao porte econômico pareceu injusta, pois o valor padrão de R$ 3 mil por empresa era sujeito a generosos descontos para empresas de pequeno porte, microempresas e pessoas físicas).

A Lei 10.165/2000 corrigiu esses defeitos por meio (1) da correta definição do fato gerador do tributo (artigo 17-B); (2) da enumeração taxativa das atividades objeto da fiscalização do Ibama, com a indicação, para cada uma delas, do potencial de poluição ou utilização de recursos naturais (alto, médio ou baixo – artigo 17-C e Anexo VIII); e (3) da previsão de que “a TCFA é devida por estabelecimento” e tem os seus valores fixados numa tabela cujas linhas remetem aos potenciais de poluição de ou utilização de recursos naturais de cada estabelecimento e cujas colunas aludem ao seu porte (micro, pequena, média ou grande empresa), segundo padrões de faturamento estabelecidos na própria lei (artigo 17-D e Anexo IX). Sobre esse último ponto – alegada ofensa à proporcionalidade, que o STF dessa vez não reconheceu –, o acórdão do RE 416.601/DF transcreve largamente o nosso parecer:

“(…) No particular, duas objeções são lançadas contra a TCFA:

– a de que varia segundo a receita bruta do estabelecimento contribuinte, adotando critério de quantificação próprio dos impostos;

– a de que seria excessivamente onerosa.

É noção cediça que a base de cálculo das taxas deve mensurar o custo da atuação estatal que constitui o aspecto material de seu fato gerador (serviço público específico e divisível ou exercício do poder de polícia).

(…)

Ora, é razoável supor que a receita bruta de um estabelecimento varie segundo o seu tamanho e a intensidade de suas atividades.

É razoável ainda pretender que empreendimentos com maior grau de poluição potencial ou de utilização de recursos naturais requeiram controle e fiscalização mais rigorosos e demorados da parte do Ibama.” (Grifo do colunista)

“Acrescenta [o parecer] que, se ‘o valor da taxa varia segundo o tamanho do estabelecimento a fiscalizar’, o que implica maior ou menor trabalho por parte do poder público, ‘é mais do que razoável afirmar que acompanha de perto o custo da fiscalização que constitui sua hipótese de incidência’, com atendimento, em consequência, ‘na medida do humanamente possível’, dos ‘princípios da proporcionalidade e da retributividade’.” (Grifo do colunista)

O que o Ibama pretende
Por mais de duas décadas, o cálculo da TCFA considerando a receita de cada estabelecimento, chancelado pelo STF nos trechos acima, foi seguido de forma inalterável pelo Ibama, que agora pretende abandoná-lo com base no Parecer 00001/2023/DITRIB/PFE-IBAMA-SEDE/PGF/AGU, datado de junho de 2023. O fundamento é simplório: o uso da expressão pessoa jurídica pelo artigo 17-D da lei instituidora, ao definir micro, pequena, média e grande empresa para efeito de quantificação do tributo [1].

Spacca
Em suma, a lei usa três conceitos jurídicos: dois fracionários e desvinculados da ideia de personalidade jurídica – estabelecimento, que o artigo 1.142 do Código Civil define como “complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária”; e empresa, que o artigo 996 define como “atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços” – e um (pessoa jurídica) totalizante porque ligado àquela ideia, que é naturalmente incindível. A primazia dos dois primeiros sobre o último salta aos olhos do texto da lei, já pelo critério quantitativo (duas menções contra uma), já pela natural precedência [2] do caput do artigo 17-D, segundo o qual “a TCFA é devida por estabelecimento”, sobre o seu parágrafo 1º, que recorre à expressão “pessoa jurídica” (ademais neutralizada pelo uso imediato termo “empresa”).

A conclusão se confirma pela interpretação histórica e sistemática da lei. De fato, foi para superar a censura de alheamento à realidade lançada contra a TFA, aproximando tanto quanto possível o valor da TCFA do custo da atuação estatal que lhe dá ensejo, que se adotaram os critérios conjugados da receita bruta e do potencial poluidor/utilizador de recursos naturais. É indiscutível que, mesmo se realizada remotamente, a fiscalização se dá por estabelecimento. E presume-se com base em quod plerumque accidit – providência aceita pelo STF na matéria [3] – que aquele custo é uma função direta dessas duas variáveis.

Deveras, careceria de razoabilidade impor-se a uma pequena filial, a única que exerce atividade de alto potencial poluidor, TCFA de R$ 5.796,73, em vez de R$ 128,80 (diferença de 45 vezes) ou de R$ 579,67 (diferença de dez vezes), apenas por integrar sociedade de grande porte cuja atividade é no mais pouco ofensiva [4]. O que importa nas taxas – mesmo que a sua quantificação se faça de modo aproximativo, em nome da praticabilidade – é a equivalência ao custo da atuação estatal, e não à riqueza manifestada pelo contribuinte (CF, artigo 145, incisos I e II e parágrafos 1º e 2º). Fundando-se na Constituição, a conclusão não se abala pelo acórdão do STJ no REsp. 1.661.547/PE (2ª Turma, relator ministro Herman Benjamin, DJe 19.06.2017), sendo ainda de notar que o único precedente do STF, também fracionário (2ª Turma, ARE 738.944 AgR/MG, relator ministro Ricardo Lewandowski, DJe 26.03.2014), versa taxa estadual similar, mas não idêntica à TCFA.

Além de ser a mais consentânea com o texto e o contexto da lei, a leitura cujo abandono ora se predica está consagrada pelo tempo. É fato que a interpretação pode evoluir, mas isso pressupõe alteração de monta no ambiente normativo circunstante ou na percepção social dos fatos regulados, o que não consta ter havido aqui.

A concessão da AGU à eficácia apenas prospectiva da nova exegese, com base no artigo 146 do CTN, é muito pouco, impondo-se a restauração do velho e bom entendimento original, na via administrativa ou em juízo.

[1] “Art. 17-D, § 1º. Para os fins desta Lei, consideram-se:

I – microempresa e empresa de pequeno porte, as pessoas jurídicas que se enquadrem, respectivamente, nas descrições dos incisos I e II do caput do art. 2º da Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999;

II – empresa de médio porte, a pessoa jurídica que tiver receita bruta anual superior a R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) e igual ou inferior a R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais);

III – empresa de grande porte, a pessoa jurídica que tiver receita bruta anual superior a R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais). (…)”

[2] Positivada no artigo 11, inciso III, alínea “c”, da Lei Complementar 95/98.

[3] Como já demonstramos neste espaço: https://www.conjur.com.br/2023-fev-01/consultor-tributario-taxa-local-policia-atividades-regidas-uniao-modica/

[4] Estes os valores atuais da TCFA (https://www.gov.br/ibama/pt-br/servicos/taxas/tcfa/sobre-a-tcfa):

Microempresa Pequena Média Grande
Potencial/Grau Baixo Isenta R$ 289,84 R$ 579,67 R$ 1.159,35
Potencial/Grau Médio Isenta R$ 463,74 R$ 927,48 R$ 2.318,69
Potencial/Grau Alto R$ 128,80 R$ 579,67 R$ 1.159,35 R$ 5.796,73

Igor Mauler Santiago

sócio-fundador do Mauler Advogados, mestre e doutor em Direito Tributário pela Universidade Federal de Minas Gerais, membro da Comissão de Direito Tributário do Conselho Federal da OAB e presidente do Inst

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88