Tabela de frete: a caminho de precedente em gestação legislativa

João Grandino Rodas

Além de paralisar o país por cerca de dez dias, a recente greve dos caminhoneiros, por seus resultados, fez com que os três Poderes da república se apressassem, dentro de suas competências, para encontrar soluções e minimizar a crise.

Buscar saídas no calor das circunstâncias nem sempre resulta em soluções jurídico-econômicas viáveis e duradouras.

No afã de encontrar rápida solução, o Poder Executivo baixou a Medida Provisória 832/2018, que instituiu a política de preços mínimos do transporte rodoviário de cargas no território nacional e determinou à Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) que regulasse, por resolução, a matéria. Os desencontros relativos às resoluções da ANTT ficaram muito claros, tanto pelo vaivém das diversas resoluções quanto pelas ações judiciais intentadas em todo o território nacional[1].

Por sua vez, o Poder Judiciário está obrigado à prestação jurisdicional e deverá pronunciar-se a respeito da constitucionalidade da medida provisória, das resoluções da ANTT e, até mesmo, da lei, caso venha a ser sancionada.

O curso de ação escolhido pelo ministro Luiz Fux, relator no STF das ações diretas de inconstitucionalidade, determinou a suspensão dos processos judiciais, individuais ou coletivos, em curso nas demais instâncias do Judiciário que envolvam a inconstitucionalidade ou suspensão de eficácia da Medida Provisória 832/2018 e da Resolução 5.820/2018 da ANTT, que regulamentou a referida MP. O ministro relator requereu e obteve informações a respeito da medida provisória de diversos órgãos (Ministério da Fazenda, Advocacia-Geral da União, Conselho Administrativo de Defesa Econômica e da ANTT).

Durante um prazo relativamente longo, coadjuvado estrategicamente pelo recesso do Poder Judiciário, vem-se dando fôlego à solução escolhida pelo Executivo.

Na sequência das audiências realizadas pelo ministro relator, a próxima realizar-se-á em 27 de agosto, reunindo representantes da Advocacia-Geral da União, do Ministério dos Transportes, da ANTT, Associação do Transporte Rodoviário de Carga do Brasil, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Confederação Nacional da Indústria, Confederação Nacional dos Transportes Autônomos, Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, Secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência (antiga Seae).

Por seu turno, o Poder Legislativo Federal tem sido pressuroso e célere para fazer com que a referida medida provisória se transforme em lei, antes mesmo do recesso parlamentar de julho.

Diante de tais fatos, a atuação dos três Poderes tem se direcionado para encontrar a solução jurídica mais adequada para a crise, almejando a normalização da situação e afastando a possibilidade de novas turbulências.

Os impactos econômicos da paralisação prejudicaram e ainda prejudicam, de sobremaneira, alguns setores produtivos e o mercado consumidor que sentem o recrudescimento dos efeitos inflacionários. Nesse embate não há vencedores, pois todos perderam, inclusive os caminhoneiros.

É fundamental, entretanto, não se fazer tábula rasa dos princípios constitucionais, dentre os quais o princípio da livre-iniciativa e da livre concorrência, sob o argumento de resolver problema, pois poderão eles ser agravados.

Muito provavelmente, o receio de que a problemática possa se reacender explique a inusitada harmonização coreográfica tão afinada de que vem fazendo parte os três Poderes, incomum na história brasileira.

Essa espera de que possa surgir uma solução consensual para o problema não parece ser possível nem provável.

As presentes circunstâncias devem-se, de um lado, a uma sucessão, ao longo dos tempos, de políticas governamentais erradas e, de outro, à demora em perceber que uma tempestade de vulto estava sendo formada.

O capítulo mais recente da presente questão acaba de se encerrar na Câmara das Deputados, que aprovou a MP e a encaminhou para apreciação do Senado Federal.

O respectivo projeto de lei de conversão permitirá à ANTT fixar valor mínimo para o frete no transporte rodoviário. Tal fixação dos pisos mínimos de frete deverá ser pautada por elementos técnicos e contar com a participação de representantes de distintos setores: contratantes dos fretes, cooperativas, sindicatos de empresas de transportes, transportadores autônomos e embarcadores de mercadoria.

O valor do frete deverá ser definido em âmbito nacional, de forma a refletir os custos reais do transporte, especialmente os relacionados ao valor do óleo diesel e das tarifas de pedágio. Deverá ser levado em consideração, igualmente, o quilômetro rodado por eixo carregado, as distâncias e as especificidades das cargas (carga geral, a granel, de frigorífico, perigosa ou neogranel). De acordo com tais variantes, a ANTT deverá explicitar os cálculos para obtenção de valores mínimos relativos ao frete.

A tabela de frete será publicada em janeiro e em julho de cada ano. Entretanto, havendo variação superior a 10% no preço de mercado do óleo diesel, a maior ou a menor, deverá ser publicada uma nova.

É de se ressaltar a impossibilidade de se diminuir, por meio de negociação, os valores estabelecidos pela ANTT. Afastou-se a possibilidade de se estabelecer negociações com preços inferiores aos tabelados.

No referido relatório há previsão de anistia de multas e sanções, tanto as previstas no Código Brasileiro de Trânsito quanto aquelas provenientes de decisões judiciais, aplicadas aos caminhoneiros e às empresas transportadoras.

Verificação, mesmo que perfunctória, dos termos de aprovação da MP 832/2018 na Câmara dos Deputados demonstra contrariedade aos princípios constitucionais da livre-iniciativa e da livre concorrência. É obvio que lei aprovada nesses termos possa vir a ser declarada inconstitucional pelo STF. Face à suspensão de ações contrárias distribuídas na Justiça brasileira e ao retardo no pronunciamento do Judiciário, as expectativas das várias partes envolvidas só tendem a aumentar, mormente em razão do eventual “fato consumado” legislativo.

Se aprovada a legislação em comento e tida como constitucional pelo STF, fatalmente abrir-se-á ampla avenida para o ressurgimento do tabelamento no Brasil, com todas as suas perniciosas consequências econômicas e sociais.

[1] Ver Rodas, João Grandino. “Tabela de preço mínimo do frete é ineficaz, ilegal e deletéria”. Revista Eletrônica ConJur, 14 de junho de 2018).

João Grandino Rodas

Professor titular da Faculdade de Direito da USP, presidente do Centro de Estudos de Direito Econômico e Social (Cedes) e sócio do escritório Grandino Rodas Advogados.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

dafabet

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

depo 25 bonus

slot deposit pulsa

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập