Trinta por cento do valor de um carro é imposto.

São Paulo – A depreciação da moeda americana no mercado local tem um impacto relativamente pequeno sobre a competitividade dos exportadores brasileiros, quando comparada à carga tributária do País. Essa é a visão do presidente da General Motors no Brasil, Ray Young, que participou, ontem, da reunião do conselho da Câmara Americana de Comércio (Amcham), em São Paulo.

Para o executivo, não é preciso dar qualquer solução à questão do dólar, além do que já vem sendo feito pelo Banco Central (BC). “Acredito no conceito do livre mercado. O valor das moedas deve ser determinado pela relação demanda versus oferta”, disse Young.

O executivo, entretanto, criticou o que considera “falta de senso de urgência” no encaminhamento de reformas pelo governo federal. Segundo ele, a questão da carga tributária – hoje, perto de 40% do PIB – deveria ser a primeira atacada, já que em sua opinião, essa é a grande vilã do chamado “custo Brasil”.

“No Brasil, mais de 30% do valor do carro corresponde a impostos. Na China é 20% e na Europa, 15%, por exemplo”, disse o presidente da GM, para quem o governo já poderia agir no sentido de reduzir o ICMS sobre determinados produtos de exportação.

Young ainda lembrou que a questão da competitividade deverá sofrer com a chegada do investment grade e o conseqüente aumento do fluxo de recursos para o País. “Acredito que o valor do real vai subir ainda mais. Talvez o dólar chegue a até R$ 1,50 e isso vai colocar ainda mais pressão sobre os negócios para as exportações”, analisou.

Segundo ele, no entanto, o impacto do grau de investimento sobre o mercado interno deverá compensar, principalmente, via redução de juros, os efeitos negativos nas exportações. “O problema é que a indústria brasileira precisa exportar, não pode deixar isso de lado. Isso seria perigoso porque é difícil saber até quando o mercado interno vai permanecer forte”, ponderou.

Sobre os problemas de estoque enfrentados pela indústria automobilística, Young mostrou-se otimista e afirmou que os ajustes na produção devem levar a uma regularização da oferta de veículos nos próximos três meses. “Nesse momento, nossa rede tem somente dez dias de estoque. Normalmente são 25. Mas o importante é que a indústria tem capacidade e todas as montadoras já estão ajustando sua produção”, concluiu.

Fonte: Paraná On-Line

Data da Notícia: 29/05/2007 00:00:00

Gostou do notícia? Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp