Saiba como funciona a contabilização das bonificações de mercadorias para quem concede e para quem recebe

José Carlos Braga Monteiro

Bonificações de mercadorias são remessas feitas a um determinado estabelecimento vinculadas a promoções, cotas de vendas atendidas, fidelidade de fornecedores, entre outros. Duas das formas de bonificação são as recebidas junto ou as recebidas não vinculadas a uma operação de compra. São duas situações que recebem o mesmo tratamento.

A primeira situação é a bonificação recebida com a compra efetuada, chamada de “dúzia de treze”. Nesta, o valor da bonificação acaba por diminuir o custo unitário de cada produto recebido, não gerando receita para quem os recebe. Assim, a bonificação tem o tratamento de desconto incondicional, desde que conste na nota fiscal e não dependa de evento posterior à emissão do documento, não incidindo PIS e COFINS.

Portanto, o valor a ser registrado como estoque das mercadorias é o efetivamente despendido na aquisição destas, segundo o princípio contábil do custo como base do valor, inexistindo receita vinculada às referidas bonificações a título de recuperação de custos.

Assim, a empresa que concede (dá) mercadorias em bonificação baixa o valor pelo custo no estoque. O valor da bonificação é demonstrado na nota fiscal como desconto incondicional. Tais despesas com bonificações são consideradas dedutíveis na apuração do IRPJ e da CSLL para as pessoas jurídicas tributadas pelas regras do Lucro Real.

A entrega das mercadorias em bonificação não gera tributação de PIS e COFINS para a empresa que está concedendo; assim como não gera receita para a empresa compradora, pois ocorre uma redução de custo de aquisição uma vez que a empresa adquirente irá dividir o valor pago por uma quantidade maior de mercadorias recebidas.

Já a segunda situação acontece quando a fornecedora dá uma bonificação em mercadorias ao seu cliente não vinculada a compras já realizadas por ele. Ou seja, em função da empresa ser boa cliente, a fornecedora resolve dar a ela, fora de época, uma bonificação, que, para a empresa que recebe, gerará uma receita de bonificação.

Nesta situação, o tratamento contábil e tributário para o vendedor é o mesmo do caso em que ocorre o destaque do desconto na nota fiscal. Isso porque, havendo ou não destaque na nota fiscal para a empresa vendedora, ou seja, naquela que irá conceder a bonificação, o valor desta terá tratamento de despesa, sem reflexo para PIS e COFINS. Para o IRPJ e o CSLL, será considerado como despesa dedutível.

Portanto, as mercadorias recebidas em bonificação geram receita para a empresa que as recebe e não darão direito a crédito de PIS e COFINS. Ainda, a empresa que conceder a bonificação não irá pagar PIS e COFINS sobre ela, pois sua contabilização será como despesa com bonificação.

José Carlos Braga Monteiro

Fundador e atual presidente da Studio Fiscal, rede de franquias especializada em consultoria empresarial com auditoria fiscal e planejamento tributário com mais de cem escritórios no Brasil.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp