O perigo da política de preços mínimos do transporte rodoviário de cargas

Marcelo Lauar Leite

Por Marcelo Lauar Leite

Em uma de suas obras-primas[1], García Márquez conta a história de um velho coronel que, esperando por uma pensão que nunca chegava, precisou vender seu bem mais precioso: um famoso galo de briga. Constrangido e sem saber o momento certo de abordar a única pessoa que poderia lhe pagar um bom preço — o compadre Dom Sabas —, foi advertido por sua mulher ao voltar para casa: “Acontece que lhe falta flora. Você se apresentou como se fosse pedir uma esmola, quando deveria ter entrado de cabeça erguida, chamado o compadre e falado: ‘Compadre, decidi lhe vender o galo!’”. Em sua defesa, disse o coronel: “A vida assim seria uma beleza!”.

Lembrei dessa passagem quando assisti à derrota do governo frente ao movimento que colapsou a logística de entregas e abastecimento do país. Atendendo às pautas apresentadas, o presidente da República pronunciou-se em rede nacional, anunciando, entre outras medidas, a criação da “Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas” (MP 832/2018)[2], com a finalidade de “promover condições razoáveis à realização de fretes no território nacional, de forma a proporcionar a adequada retribuição ao serviço prestado”[3].

Se canetada presidencial resolvesse problemas sem criar outros, a vida seria mesmo uma beleza! Em que pese a aparente satisfação dos caminhoneiros[4] e o esperado alívio da pressão social, penso que as consequências dessa medida conflitam com os limites da intervenção estatal sobre a economia.

Precisamos lembrar da privilegiada posição da livre iniciativa na geografia constitucional: é, nada mais, nada menos, que um dos fundamentos (causa/razão de ser[5]) de nossa ordem econômica, veiculando, entre outras subliberdades, a de contrato. Sua densidade normativa requer uma ordem de mercado pela qual pessoas livres se vinculam em que, com quem e como quiserem. Neste último âmbito de liberdade contratual, está a convergência de preços, disciplinada pelas partes contratantes em um processo que envolve toda a sorte de fatores — entre eles a escassez medida pela relação entre oferta e demanda.

Pois bem. Quando um grupo organizado tem o poder de chantagear o governo a interferir em contratos para seu autobenefício, estipulando um valor mínimo por trecho a ser imposto ao outro polo contratante, rompe-se a espontaneidade do processo de formação de preços em prejuízo da sociedade. A esta restará arcar com o aumento do valor dos fretes e suas consequências inflacionárias em praticamente todos os segmentos econômicos — haja vista a predominância do nosso modal rodoviário[6].

Diferente do que muitos imaginavam, o contagiante enredo contra os tributos sobre o diesel não resultou em redução fiscal sobre outros combustíveis. Para a sociedade, ficarão os efeitos deletérios do controle artificial de preços em favor dos caminhoneiros pela via de um cavalo de Troia, tornando um interesse grupal prevalente sobre o geral. Nesse cenário, a MP 832/2018 se configura como uma típica regulação anticonsumerista[7], incrementando seu âmbito de inconstitucionalidade para além da violação à livre iniciativa.

De mais a mais, a manutenção da MP no cenário jurídico equivalerá a uma declaração de que o governo pode promover a realocação forçada de benefícios materiais em favor de grupos contra a sociedade. Nessa ordem, será difícil conter o “instinto predatório” de movimentos de paralisação semelhantes, “desejosos de obter mais para si mesmos”[8], mudando-se ou não seus atores.

[1] MÁRQUEZ, Gabriel García. Ninguém escreve ao coronel. 10. ed. Tradução de Danúbio Rodrigues. São Paulo: Record, 1970.
[2] Cujo teor vinha sendo discutido pelo Senado Federal (PL 121/2017).
[3] Artigo 2º.
[4] https://g1.globo.com/politica/noticia/caminhoneiros-autonomos-se-dizem-satisfeitos-com-nova-proposta-de-temer.ghtml
[5] BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Gandra. Comentários à Constituição do Brasil. Vol. 7. São Paulo: Saraiva, 1990, p. 14-15.
[6] http://www.cnt.org.br/Modal/modal-rodoviario-cnt
[7] Cf. LEITE, Marcelo Lauar. Regulação (anti)consumerista. Revista Jurídica da UFERSA, Mossoró, v. 1, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2017.
[8] Cf. HAYEK, F. A. Direito, legislação e liberdade: uma nova formulação dos princípios liberais de justiça e economia política. v. 3. Tradução de Anna Maria Capovilla et al. São Paulo: Visão, 1985, p. 101;156.

Marcelo Lauar Leite

Advogado, professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) e doutorando em Ciências Jurídico-Empresariais pela Universidade de Coimbra.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

dafabet

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

depo 25 bonus

slot deposit pulsa

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập