Limites da reforma tributária

Edison Fernandes

A complexidade do sistema tributário brasileiro começa na Constituição Federal. Por isso, a mudança na sua estrutura requer a tramitação e a aprovação de proposta de emenda à Constituição (PEC).

Nos últimos anos, temos sido governados por PEC, numa proliferação desse instrumento legislativo que chega a nos dar a impressão de que se a alteração “legislativa” foi por meio de alteração constitucional, então, estaria tudo permitido. A PEC pode muito, mas não pode tudo.

Sem querer me aprofundar em teoria constitucional, é importante, ao menos, distinguirmos o poder constituinte originário do poder constituinte derivado. O primeiro (originário), como o próprio nome indica, é o poder de originariamente, no início, constituir a estrutura do Estado. Poucas amarras, portanto, existem na sua elaboração (talvez, no mínimo, o respeito a direitos naturais, que devem ser respeitados independentemente da lei formal). Já o segundo (derivado), por não ser inicial, precisa respeitar os limites estabelecidos no texto original da Constituição.

Sendo assim, o Congresso Nacional não tem o poder de alterar qualquer coisa no texto constitucional: é possível, então, que a proposta de emenda à Constituição (PEC) seja considerada inconstitucional.

Há vários limites de alteração dispersos pela Constituição Federal de 1988. Contudo, há um dispositivo que reúne os principais: trata-se do artigo 60, § 4º, que estabelece as chamadas cláusulas pétreas, que não podem ser alteradas sequer por PEC. Essas cláusulas pétreas são assim referidas de maneira genérica: a forma federativa de Estado; o voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes; os direitos e garantias individuais.

Duas dessas cláusulas podem ser diretamente afetadas pela reforma tributária. Uma delas é a forma federativa de Estado, o que implica manter a competência tributária de Estados e municípios. A outra, dos direitos e garantias individuais, no sentido que deverão ser mantidas a legalidade, a anterioridade, a irretroatividade, o respeito à capacidade contributiva, a isonomia e a vedação ao confisco.

Isso quer dizer que tanto a autorização para a cobrança de tributos, de um lado, quanto a defesa dos direitos dos contribuintes, de outro, devem manter a observância desses princípios constitucionais da ordem tributária.
Como mencionado, o Congresso Nacional atual (e futuro), sendo titular “apenas” do poder constituinte derivado, não pode alterar toda e qualquer norma constitucional. A limitação serve para qualquer PEC, inclusive a referente à reforma tributária.

Edison Fernandes

Doutor em Direito pela PUC-SP, professor doutor da FEA-USP e da FGV Direito SP, titular da Academia Paulista de Letras Jurídicas

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp