IPI – Não incidência na importação de carro por pessoa física para uso próprio

Rafael Santiago Araujo

O Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI, previsto constitucionalmente no artigo 153, IV, da Carta Magna, cuja competência tributária é da União Federal, tem como fato gerador as seguintes situações:

a) Importação (início do desembaraço aduaneiro);
b) Saída do estabelecimento industrial ou equiparado de produto industrializado;
c) Aquisição em leilão de produto abandonado ou apreendido;
d) Outras hipóteses específicas da lei, como no caso de saída de produtos de estabelecimentos equiparados a industrial ou a primeira saída por revenda de produtos importados etc.

Para o presente artigo, nos ateremos ao fato gerador ocorrente na importação, mais precisamente no desembaraço aduaneiro.

Antes, insta-nos destacar um caráter importante do IPI, que é o princípio da não-cumulatividade, conhecida pelos norte-americanos como value-added. Segundo tal postulado, em cada operação tributada pelo gravame em debate deve ser abatido o valor pago a título do imposto na operação anterior (art. 49 do CTN).

Com efeito, no momento da entrada de mercadorias tributadas pelo IPI, o Contribuinte planilha como crédito o que foi pago como tributo, ao passo que na saída de mercadorias, o valor do imposto é lançado contabilmente como débito.

No final da operação, se o débito for maior, recolhe-se o imposto. Por sua vez, se o crédito for maior, compensa-se na próxima operação. Tem-se aí a sistemática do princípio da não-cumulatividade.

Ocorre que, um tema recorrentemente discutido chegou ao Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça, os quais já se manifestaram pela não incidência. Trata-se da não incidência do IPI sobre a importação de veículos por pessoa física para uso próprio.

A celeuma residia na impossibilidade do cumprimento do princípio da não-cumulatividade na importação de produto para uso próprio por pessoa física.

Explica-se: por não se tratar de uma transação mercantil, o contribuinte teria que arcar com o encargo do tributo, já que não poderia compensá-lo a título de crédito, visto que não houve a transferência da mercadoria para outrem. Ou seja, após a aquisição do bem pelo contribuinte, encerra-se o ciclo econômico, pois não se trata de uma transação de natureza mercantil.

Desse modo, não havendo transferência da mercadoria para terceiros, o contribuinte adquirente do bem teria que arcar com o ônus tributário em razão da impossibilidade de se valer do princípio da não cumulatividade.

Os defensores da incidência do imposto em tal operação alegam que o Código Tributário Nacional não faz distinção entre pessoa física ou jurídica, eis que o artigo 46 do referido diploma reza que o contribuinte do IPI é o importador ou quem a lei a ele equiparar.

No entanto, ao prosseguir por esse raciocínio, a questão esbarraria no artigo 49 do CTN, cuja redação é no sentido de que “(…) O imposto é não-cumulativo, dispondo a lei de forma que o montante devido resulte da diferença a maior, em determinado período, entre o imposto referente aos produtos saídos do estabelecimento e o pago relativamente aos produtos nele entrados (…).”

Ocorre que, no caso de importação por pessoa física para uso próprio, por se tratar de consumidor final, o abatimento não poderia ser realizado, o que justifica a não incidência do IPI.

Deveras, do contrário, seria verdadeira afronta ao princípio da isonomia, pois para determinados contribuintes, que realizam a transação sobre o manto da natureza mercantil, é aplicável o princípio da não cumulatividade, de modo que o valor pago é repassado à operação futura, ao passo que para o consumidor final, não sendo possível repassar a quantia, teria que despender de recursos para arcar com os valores a serem recolhidos aos cofres federais.

Ademais, vale salientar que o princípio da não-cumulatividade está previsto na Constituição Federal (art.153, § 3º, II) e é cláusula pétrea, consistindo em garantia individual do cidadão, portanto, não podendo sofrer limitação na sua aplicação.

Destarte, na impossibilidade de se fazer valer o preceito constitucional da não-cumulatividade, não é razoável fazer arcar o consumidor final com tributo que por outros contribuintes, cujos quais praticam as operações de natureza mercantil, não seria devido pelo simples fato de que a eles é possível a aplicação da sistemática não-cumulatividade.

Não obstante, apesar da definição dada pelo STJ no que concerne a não incidência do IPI, a última palavra será dada pelo Supremo Tribunal Federal. A discussão teve repercussão geral reconhecida no bojo do RE nº 723.651, sob a Relatoria do Ministro Marco Aurélio, que entende pela constitucionalidade da incidência. A análise está em trâmite, com pedido de visto Ministro Roberto Barroso.

Entrementes, em que pese o entendimento externado pelo Ministro Marco Aurélio, entendemos pela inconstitucionalidade da incidência do IPI nas importações de veículos para uso próprio, uma vez que afronta diretamente o princípio da não-cumulatividade.

 

Rafael Santiago Araujo

Advogado Tributarista. Graduado pela Universidade Cruzeiro do Sul.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

betvisa

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88

rummy glee

yono rummy

rummy perfect

rummy nabob

rummy modern

rummy wealth

jeetbuzz app

iplwin app

rummy yono

rummy deity 51

rummy all app

betvisa app

lotus365 download