Elevado número de execuções fiscais prescritas que tramitam no Poder Judiciário

Tiago Barreto Casado

Ao longo dos anos, a construção do instituto da prescrição no direito tributário foi editada por remendos introduzidos na legislação sem que fosse realizada uma pré-análise dos reflexos que poderiam causar no ordenamento jurídico pátrio, com a finalidade de privilegiar o Estado, no sentido de melhor aparelhá-lo na guerra contra a evasão fiscal.

O referido tratamento casuístico originado por interesses do Fisco desconfigurou o instituto jurídico da prescrição, dando formatação distinta no direito tributário, daquele conhecido no direito civil.

Não obstante a tal realidade, há um número bastante elevado de execuções fiscais cujos créditos tributários encontram-se prescritos sem que os contribuintes tenham conhecimento. O fato é que os sujeitos passivos (contribuintes) nem sabem que os créditos tributários não podem mais ser exigidos.

Como se não bastasse, embora o instituto da prescrição seja matéria de ordem pública a qual pode ser alegada a qualquer momento e reconhecida "ex officio", mesmo assim não é comum que os magistrados identifiquem a prescrição e a decretem sem que as partes requeiram expressamente.

Por outro lado, hodiernamente, parcela considerável das execuções fiscais que tramitam no Poder Judiciário é oriunda dos créditos tributários constituídos por meio de lançamento por homologação, que é a modalidade que será abordada no presente artigo.

Consoante regramento disposto no artigo 150 do CTN, nos tributos sujeitos a lançamentos por homologação (ex. IR, IPI, PIS, ICMS, entre outros) o sujeito passivo se antecipa à Fazenda Pública, entrega ao Fisco a declaração devida, informando o valor que entende devido dos tributos, e procede à quitação da exação, aguardando o procedimento homologatório expresso ou tácito.

Assim sendo, o pagamento da exação ocorre antecipadamente, concretizando-se o lançamento tributário posteriormente, isto é, a autoridade fiscal homologa-a, se correta, ou efetua um lançamento tributário suplementar a fim de exigir eventuais diferenças.

Nos termos da jurisprudência do STJ, em se tratando de tributo sujeito a lançamento por homologação, o termo inicial para a contagem do lustro prescricional se dá na constituição definitiva do crédito tributário, conforme dicção do artigo 174 do Código Tributário Nacional.

O referido termo inicial é aceito de forma pacífica na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, conforme bem salientou o rel. Ministro Humberto Gomes de Barros, em acórdão do qual se transcreve a seguinte ementa:

TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. PRAZO PRESCRICIONAL. TERMO A QUO. ART. 174 DO CTN. 1. Na Declaração do Imposto de Renda, o prazo prescricional de cinco anos tem seu começo a partir da constituição definitiva do crédito tributário, isto é, da entrega da Declaração. 2. A prescrição tributária segue os termos do art. 174 do CTN, ou seja, tem o Fisco cinco anos para a cobrança do crédito tributário, a contar de sua constituição definitiva. 3. Precedentes do STJ. (REsp 413.457/RS, 1ª Turma, rel. Min. Humberto Gomes de Barros, j. 02/12/2003) (texto original sem grifos)

Com a entrada em vigor da Lei Complementar nº 118/2005, o despacho ordenatório citatório do magistrado, passou a caracterizar como marco de interrupção da prescrição, ao contrário do anteriormente disposto, qual seja, "pela citação pessoal feita ao devedor".

Não obstante às diversas críticas esposadas pela doutrina sobre a flagrante intenção de maior proteção à Fazenda Pública, com a execução da presente medida, outros questionamentos passaram a dominar as discussões nos Tribunais pátrios. Por exemplo, se a nova regra deveria ser aplicada às Ações de

Execuções Fiscais propostas pelo Fisco antes da data de entrada em vigor da LC nº 118/2005?

Após uma grande discussão acerca da matéria, o Egrégio Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento no sentido de que deveria ser observado o momento do despacho de citação. Caso o despacho do juiz que determinar seja anterior à vigência da referida Lei Complementar, deve ser aplicada a redação original do art. 174, parágrafo único, I, do CTN, não se interrompendo o prazo prescricional do despacho ordinatório citatório, mas sim da citação válida do executado, consoante demonstram os seguintes arestos:

PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INTERRUPÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL. DESPACHO QUE ORDENA A CITAÇÃO. ALTERAÇÃO DO ART. 174 DO CTN CONFERIDA PELA LC 118/05. APLICAÇÃO IMEDIATA.
1. A Lei Complementar 118, de 9 de fevereiro de 2005 cuja vigência teve início em 09.06.05, modificou o art. 174 do CTN para atribuir ao despacho do juiz que ordenar a citação o efeito interruptivo da prescrição e por se constituir norma processual deve ser aplicada imediatamente aos processos em curso, podendo incidir mesmo quando a data da propositura da ação seja anterior à sua vigência. Contudo, a novel legislação é aplicável quando o despacho do magistrado que ordenar a citação seja posterior à sua entrada em vigor. Precedentes.
2. No caso concreto, a Corte regional assentou que a inscrição em Dívida Ativa originou-se de lançamento de valores devidos a título de Imposto Territorial Rural-ITR referente ao ano de 1995, com vencimentos no período de 30.09.96 a 29.11.96; tendo a notificação do lançamento fiscal ao contribuinte ocorrido em 02.09.96, não havendo notícias da apresentação de defesa administrativa nem da realização do respectivo pagamento. A execução fiscal foi proposta em 26.02.02; o despacho que ordenou a citação ocorreu em 28.02.02 (fl. 07 da execução); tendo se efetivada em 12.03.02 (fl. 13-verso da ação executória).
3. Desse modo, sob qualquer ângulo, evidente que restou operada a ocorrência da prescrição, porquanto decorrido o prazo prescricional qüinqüenal entre a data da efetiva citação do executado, ocorrida em 12.03.02, e a data da constituição do crédito tributário (02.09.96), nos termos da redação original do art. 174, Parágrafo Único, I, do CTN, uma vez que o despacho ordinatório da citação foi proferido ainda antes da vigência da LC 118/05.
4. Agravo regimental não provido.
(STJ, AgRg no REsp 1073004 / PR, rel. Min. CASTRO MEIRA, T2, DJe 12/12/2008) (Grifo nosso)

Desse modo, se transcorrerem mais de cinco anos entre a data da constituição definitiva do crédito tributário e a data em que o magistrado determinar á citação, ou que o contribuinte seja devidamente citado (conforme a situação), o crédito tributário estará extinto não podendo mais ser exigido. Nesse caso, o contribuinte deve arguir a prescrição, por meio de exceção de pré-executividade, sem necessidade da garantia do Juízo.

Tiago Barreto Casado

Advogado e consultor jurídico, atuante nas áreas de Direito Civil e Tributário. Especialista em Direito Processual pelo CESMAC - Centro de Estudos Superiores de Maceió e Especialista em Direito Tributário pela UNIDERP - Universidade Anhaguera. Professor horista de Processo Civil I, Processo Civil III, Filosofia e Ética na Faculdade Maurício de Nassau.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88