A ilegalidade na majoração da Taxa Siscomex e a possível restituição de valores

Paula Zugaib Destruti, Luiz Fernando Dalle Luche Machado

Por Paula Zugaib Destruti e Luiz Fernando Dalle Luche Machado

Recentemente, a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou conhecimento ao Recurso Especial 1.707.341, da Fazenda Nacional, para manter a decisão do Tribunal Regional da 4ª Região que reconheceu a ilegalidade da majoração da Taxa Siscomex pela Portaria MF 257/11.

O Siscomex, vale lembrar, é um sistema eletrônico que integra as atividades de registro, acompanhamento e controle das operações de comércio exterior, mediante fluxo único, computadorizado, de informações, permitindo o gerenciamento de dados de maneira integrada por parte dos vários órgãos do Poder Executivo Federal que devem intervir em tais operações. Como contrapartida pela utilização do sistema, os contribuintes pagam a Taxa Siscomex.

Até 2011, os importadores recolhiam R$ 30 por cada Declaração de Importação (DI) registrada e R$ 10 por cada adição de mercadoria à DI. No entanto, o artigo 3º, parágrafo 2º, da Lei 9.716/98 permitia que os valores fossem reajustados anualmente, pelo Ministério da Fazenda, para acompanhar a variação dos custos de operação e dos investimentos feitos no sistema, o que não ocorria desde a edição da lei.

Naquele ano, então, foi editada a Portaria 257/11, majorando para R$ 185 o valor por registro da DI e R$ 29,50 para cada adição de mercadorias. Faltou apenas comprovar que o aumento de mais de 500% promovido pela portaria de fato correspondia à elevação de custos com a manutenção do sistema. Os contribuintes, então, passaram a questionar a cobrança no Judiciário.

Para justificar sua posição, a Receita preparou a Nota Técnica Conjunta Cotec/Copol/Coana 3/2011, argumentando que, para o cálculo dos custos e investimentos no Siscomex, devem ser considerados: (i) o aumento percentual[1] com investimentos em expansão e a atualização do parque tecnológico da Receita e o crescimento da largura da banda de rede de longa distância; (ii) os valores pagos às empresas de tecnologia da informação que prestam serviços tanto de manutenção como de atualização dos programas de computado da Receita.

Quem vê pensa, não sem razão, que a Receita estaria tentando repassar aos importadores, via Taxa Siscomex, os custos de aprimoramento da estrutura informática utilizada por todo órgão. Corrobora esse fatídico entendimento o fato de a Receita não ter informado, em relação à totalidade de seus sistemas informáticos, o percentual de utilização para as atividades de fiscalização do comércio exterior, mas apenas o custo geral incorrido em 2010, que foi de R$ 79,8 milhões (curiosamente, correspondente a 61% do valor arrecadado com a Taxa Siscomex no mesmo ano).

Portanto, não é de se estranhar a decisão do TRF-4 que reconheceu a ilegalidade da majoração. Na visão do tribunal, a Receita não logrou comprovar a variação dos custos de operação e de investimentos no Siscomex correspondente ao aumento da Portaria 257/11, até porque a nota técnica preparada pelo órgão não discrimina (a) custos de operação e (b) custos de investimento no Siscomex. Ademais, o TRF-4 não acolheu o argumento da Procuradoria da Fazenda Nacional (PGFN) de que os custos alocados ao Siscomex superariam a dotação realizada por meio da Ação Orçamentária 2247, simplesmente por falta de comprovação.

Ainda assim, há algo de muito interessante nos números da PGFN: ao passo que os custos atribuídos ao sistema se mantiveram relativamente estáveis ao longo do período (devendo ser descartada a queda em 2012, posto que o último dado disponível é de 2011), a arrecadação aumenta abruptamente a partir de 2011 e sem qualquer correspondência com os custos de investimento. Em 2011, por exemplo, os gastos com o Siscomex foram de R$ 118,7 milhões, e a arrecadação com a taxa (já majorada), de R$ 443,4 milhões. Vejamos os números em série histórica:

Procurando um meio-termo, a jurisprudência do TRF-4 vai no sentido de que a Portaria 257/11 não seria ilegal até o limite do reajuste pelo INPC, que é o índice de correção monetária oficial do IBGE. Diferentemente do que pretendia a PGFN nesse ponto, não foi admitida a aplicação da taxa Selic, pois se reconheceu que a taxa tem por função a mera reposição dos custos de fiscalização, e não a remuneração de um capital cedido ao contribuinte.

O entendimento do TRF-4 foi mantido pelo STJ ao negar seguimento ao Recurso Especial 1.707.341 justamente pela impossibilidade de revisitar questões fáticas (conforme a Súmula 7). Ainda assim, o ministro Mauro Campbell reforçou que, para haver o reajuste da taxa, a Receita deve demonstrar os custos de operação e investimento originais e os custos de operação e investimentos atuais, evidenciando sua variação. Além disso, foi definido que, para incluir os custos de infraestrutura informática, a Receita deve conhecer o quanto desses investimentos é efetivamente aproveitado pelo Siscomex.

Assim, até que esses dados estejam disponíveis, qualquer majoração será indevida. O racional do julgado do STJ reforça a importância de explorar elementos fáticos e a finalidade dos tributos nas discussões judiciais tributárias, tendo em vista que os tribunais superiores têm cada vez mais considerado esses fatores em suas decisões em vez de se aterem apenas a questões de direito.

E mesmo que haja majoração suportada em evidências empíricas, é importante destacar que a própria delegação de competência para a majoração da taxa, conforme disposto no artigo 3º, parágrafo 2º, da Lei 9.716/98, já foi declarada inconstitucional em alguns precedentes do Supremo Tribunal Federal[2], sob o argumento de que a norma não fixa parâmetros suficientes para majoração da carga tributária via portaria do Ministro da Fazenda.

Diante do cenário descrito acima, cabe aos contribuintes avaliar a oportunidade de pleitear a restituição dos valores recolhidos a maior por força da Portaria 275/11, que, além de veicular um aumento sem qualquer correspondência aos acréscimos de custo e investimento da Receita no Siscomex, não é o instrumento jurídico adequado para a majoração do tributo, no entendimento do STF.

[1] O aumento é considerando em percentual, pois, segundo a Receita, não é possível distinguir quais equipamentos são utilizados para a operação do Siscomex e quais são destinados às demais áreas de fiscalização.
[2] RE nº 1.095.001, Rel. Dias Tofolli, Segunda Turma, julgado em 6.3.2018, e AGRE nº 959.274, Rel. Rosa Weber, julgado em 27.4.2017.

Paula Zugaib Destruti, Luiz Fernando Dalle Luche Machado

Paula Zugaib Destruti é associada do Pinheiro Neto Advogados.

Luiz Fernando Dalle Luche Machado é associado do Pinheiro Neto Advogados.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

dafabet

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

depo 25 bonus

slot deposit pulsa

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập