A ilegalidade do PIS e da COFINS sobre a variação cambial

Bruce Bastos Martins

O texto apresenta as razões da ilegalidade do Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 8/2015: PIS e COFINS sobre a variação cambial, que faz previsão no sentido de exigência de PIS e COFINS sobre as variações ocorridas após a data do recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.
I – SUCINTO INTROITO:

Recentemente, as empresas que exportam e operam com o mercado de câmbio foram surpreendidas pelo Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 8/2015 (D.O.U. 17/11/2015), vez que, dispondo sobre os comandos do Decreto nº 8.426/2015 – cujos enunciados mantém em zero as alíquotas do PIS e da COFINS sobre receitas financeiras decorrentes de variações monetárias, em função da taxa de câmbio – limitou seus efeitos, arbitrariamente, considerando somente as variações ocorridas até a data do recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.

Em outras palavras, em violação ao Decreto nº 8.426/2015, cujo texto é claro na aplicação da alíquota zero do PIS e da COFINS sobre a situação de variação cambial, não apontando nenhuma condição temporal para tanto, a RFB, por meio de ato declaratório, restabelece a exigência do PIS e da COFINS sobre a situação mencionada, como se coubesse a ela legislar sobre exigência tributária.

O presente artigo tem, então, a finalidade de apresentar o direito das empresas de não se submeterem ao cumprimento do Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 8/2015. Por essa razão, sucintos tópicos explicarão, ponto a ponto, os motivos que dão fundamento a isso.

II – ADI Nº 8/2015 E O PRINCÍPIO DA RESERVA LEGAL E DA ESTRITA LEGALIDADE TRIBUTÁRIA.

O Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 8/2015 viola os princípios da reserva legal e da estrita legalidade tributária, quando, inovando o disposto no Decreto nº 8.426/2015, impõe a exigência de 0,65% e 4% de PIS e COFINS, respectivamente, sobre receitas financeiras decorrentes de variações cambiais após a data de recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.

Vejamos:

DECRETO Nº 8.426, DE 1º DE ABRIL DE 2015

Art. 1º Ficam restabelecidas para 0,65% (sessenta e cinco centésimos por cento) e 4% (quatro por cento), respectivamente, as alíquotas da Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS incidentes sobre receitas financeiras, inclusive decorrentes de operações realizadas para fins de hedge, auferidas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao regime de apuração não-cumulativa das referidas contribuições. (…)

§ 3º Ficam mantidas em zero as alíquotas das contribuições de que trata o caput incidentes sobre receitas financeiras decorrentes de variações monetárias, em função da taxa de câmbio, de:

I – operações de exportação de bens e serviços para o exterior; e

II – obrigações contraídas pela pessoa jurídica, inclusive empréstimos e financiamentos.

ATO DECLARATÓRIO INTERPRETATIVO RFB Nº 8/2015

O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos III e XXVI do art. 280 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto no inciso I do § 3º do art. 1º do Decreto nº 8.426, de 1º de abril de 2015, declara:

Art. 1º Para fins de aplicação da alíquota zero da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre as receitas financeiras decorrentes de variações monetárias, em função da taxa de câmbio, de operações de exportação de bens e serviços para o exterior a que se refere inciso I do § 3º do art. 1º do Decreto nº 8.426, de 1º de abril de 2015, devem ser consideradas as variações cambiais ocorridas até a data do recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.

Parágrafo único. O benefício de que trata o caput não alcança as variações cambiais ocorridas a após a data de recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.

Tal procedimento adotado pelo Secretário da RFB encontra óbices na CF e no CTN, visto que, resguardadas as exceções[1], ambos os diplomas proíbem expressamente a exigência ou a majoração de tributos por veículos que não sejam as leis, ou seja, produção específica do Poder Legislativo.

A CF traz em seu corpo as exceções de tributos que podem vir a se definir sem lei que o faça, a saber: II, IPI e o IOF (CF, art. 153, §1º). Agora, cuidando das contribuições PIS e COFINS, resta claro que não se inscrevem na regra excetiva.

Diante disso, percebe-se que o Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 8/2015, descumprindo sua finalidade, vem inovar a título de cobrança tributária o disposto no Decreto nº 8.426/2015, notadamente a respeito de PIS e COFINS sobre receitas financeiras decorrentes de variações cambiais após a data de recebimento pelo exportador dos recursos decorrentes da exportação.

III – AS LIMITAÇÕES DA COMPETÊNCIA DO SECRETÁRIO DA RFB.

Os atos declaratórios interpretativos (ADIs), enquanto manifestações do Secretário da RFB, surgem para uniformizar o comportamento dos agentes públicos em determinada matéria passível de interpretações divergentes. Todavia, isso não significa que as ADIs têm legitimidade para criar vínculos obrigacionais entre o Estado e o contribuinte, de forma a inovar ou criar, contrário ou suplementarmente, o disposto em lei.

Examinando a competência do Secretário da RFB, bem como os motivos que o levaram a expedir o ADI em questão, vem a luz os incisos III e XXVI do art. 280 do Regimento Interno da Secretaria da RFB, aprovado pela Portaria MF nº 203/2012, que assim dispõe:

Art. 280. Ao Secretário da Receita Federal do Brasil incumbe:

(…)

III – expedir atos administrativos de caráter normativo sobre assuntos de competência da RFB;

(…)

XXVI – expedir atos normativos destinados a uniformizar a aplicação da legislação tributária, aduaneira e correlata;

Haja vista que a instituição do PIS e da COFINS não é assunto de competência da RFB, como também não é de sua competência inovar ou remodelar a legislação tributária, mas, tão somente, por meio de ADIs, uniformizar a interpretação de seus agentes, não poderia ela impor uma condição temporal na exigência dos respectivos tributos, pois estaria versando sobre o critério que compõe a norma jurídica de exigência tributária, a saber: o critério temporal da regra-matriz de incidência tributária[2].

Portanto, a RFB, na figura do seu Secretário, extrapolou o alcance de sua competência quando impôs limites ou condições temporais para a aplicação de alíquota zero do PIS e da COFINS, enunciados no Decreto nº 8.426/2015.

IV – CONCLUSÃO:

Não sendo tomadas por base as exceções, as relações tributárias não são atadas numa noite e desfeitas na manhã seguinte. São verdadeiros matrimônios (sim, compulsórios), contraídos sob um invólucro de formalidades e valores – como o da segurança jurídica e o da não surpresa – que cuidam para a confiança e estabilidade da relação.

No momento em que o Secretário da RFB passa a decidir a respeito do lapso temporal em que serão exigidos tributos, e o faz por meio de ADIs, de forma prosaica e arbitrária, é certo que atenta contra esta relação jurídica, assim como contra os valores e formalidades que a encapsulam.

Desprezada esta segurança, a consequência natural é a de que se questione a própria autonomia do Direito, na berlinda de julgá-lo como ineficaz ou circunstancial, sensível na sua legalidade, em virtude de uma má gestão política ou, talvez, uma necessidade urgente de receita pelo Estado – motivos políticos que justificaram, e continuam a justificar, a tirania de muitos governos.

Disse certa vez um sofista, há muito tempo, chamado Trasímaco, que a justiça é nada mais que a conveniência do mais forte. Pois bem, mesmo passados 25 séculos desde sua pronunciação, o conceito continua irritantemente apropriado.

O Governo demanda, urgentemente, receita – dado o cenário econômico atual –, então, busca consegui-la por meio da sua força, e, por mais atroz que pareça, considerará isso justo.

NOTAS

[1] As exceções enunciadas pelo CTN (artigos 21, 26, 39, 57 e 65) são dirigidas à política cambial, política monetária, comércio exterior e à alíquota do ICMS.

[2] “A construção da regra-matriz de incidência, como instrumento metódico que organiza o texto bruto do direito positivo, propondo a compreensão da mensagem legislada num contexto comunicacional bem concebido e racionalmente estruturado, é um subproduto da teoria da norma jurídica, o que significa reconhecer tratar-se de contribuição efetiva da Teoria Geral e da Filosofia do Direito, expandindo as fronteiras do território científico”. CARVALHO, Paulo de Barros. Direito tributário – linguagem e método. 3ª ed. São Paulo: Noeses, 2009, p. 146.

Bruce Bastos Martins

Advogado inscrito na OAB/SC 32.471 e sócio da Lobo & Vaz Advogados Associados. Nascido em Florianópolis/SC, Brasil. Especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários - IBET. Pós-graduando em Direito da Aduana e do Comércio Exterior Brasileiro pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Professor de Direito Tributário e autor de artigos em publicações especializadas. Idiomas: Português, Inglês e Francês.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais

iplwin

iplwin login

iplwin app

ipl win

1win login

indibet login

bc game download

10cric login

fun88 login

rummy joy app

rummy mate app

yono rummy app

rummy star app

rummy best app

iplwin login

iplwin login

dafabet app

https://rs7ludo.com/

dafabet

dafabet

crazy time A

crazy time A

betvisa casino

Rummy Satta

Rummy Joy

Rummy Mate

Rummy Modern

Rummy Ola

Rummy East

Holy Rummy

Rummy Deity

Rummy Tour

Rummy Wealth

yono rummy

dafabet

Jeetwin Result

Baji999 Login

Marvelbet affiliate

krikya App

betvisa login

91 club game

daman game download

link vào tk88

tk88 bet

thiên hạ bet

thiên hạ bet đăng nhập

six6s

babu88

elonbet

bhaggo

dbbet

nagad88